Almanaques Astrológicos II

Propaganda e crítica social nas cronologias dos almanaques astrológicos durante a Guerra Civil inglesa no século XVII

Juliana Mesquita Hidalgo Ferreira*

*Pontifícia Universidade Católica de São Paulo

Resumo

Este artigo é parte de uma ampla investigação sobre a utilização dos almanaques astrológicos durante a Guerra Civil inglesa no século XVII como veículo de propaganda e crítica social. Durante esse conflito, havia astrólogos partidários das forças parlamentaristas, como John Booker, e outros partidários das forças realistas, como George Wharton. O presente trabalho analisa algumas dessas publicações, mostrando como o envolvimento político dos autores se manifestava de forma explícita (e, algumas vezes, não tão direta) nos referidos almanaques.

A Astrologia Inglesa na Época

Na Inglaterra da década de 1640 a astrologia florescia. A existência de influência dos astros fazia parte do imaginário das pessoas de modo geral. Costumava, aliás, ser aceita pelos que criticavam a possibilidade de estudar essas influências e prever seus efeitos, especialmente no que dizia respeito a eventos humanos.

Pode-se dizer que o cenário das críticas a que a astrologia estava sujeita se mantinha praticamente estático desde os seus primórdios. Os ataques à astrologia pareciam incapazes de abalar a sua credibilidade perante a população, que costumava se dirigir aos consultórios dos astrólogos em busca de prognósticos individuais específicos.

Esses profissionais eram procurados por pessoas de todas as camadas sociais em busca de respostas para as mais variadas questões: prognósticos sobre relacionamentos amorosos, saúde, recuperação de bens roubados, jogos, indicações de dias astrologicamente mais favoráveis para casar, viajar, realizar negócios etc. Recebiam também clientes interessados em tratamentos médicos elaborados e ministrados de acordo com influências astrológicas.

O atendimento nos consultórios era impulsionado pela publicação dos almanaques astrológicos; atividade pela qual o profissional recebia muito pouco, mas que servia justamente como propaganda de seus serviços particulares. 1

1 Ver CAPP, B. Astrology and the popular press: English Almanacs 1500-1800. London: Faber, 1979. p.20, 45.

Os almanaques astrológicos fizeram enorme sucesso especialmente a partir de meados do século XVII. Eram publicações anuais, de grande importância prática para a vida das pessoas, extremamente baratas e disponíveis para consulta até mesmo nas barbearias.

Traziam um calendário mês a mês, com os dias santos e festas religiosas, a duração do dia e da noite e as fases da lua (informações essenciais por não haver energia elétrica na época), os aspectos astrológicos e as previsões meteorológicas com base nessas configurações. Apresentavam comentários sobre as estações do ano e eclipses esperados, além de uma série de outras informações úteis como listas de feiras e estradas, tabelas de juros, datas de funcionamento de tribunais, cronologias históricas, recomendações médicas, sugestões relacionadas à agricultura, à jardinagem etc.

A Guerra Civil e a Astrologia

Logo no início do século XVII, Francis Bacon, um dos filósofos ingleses mais influentes, acenou com a possibilidade de prever eventos relacionados a grandes massas populacionais, incluindo eventos de caráter político e religioso. Para ele, a previsibilidade das guerras era comparável à previsibilidade das inundações. Eram ocorrências naturais, que permitiam prognósticos igualmente legítimos.

Durante a Guerra Civil, a capacidade efetiva de motivação das previsões políticas foi explorada. A astrologia serviu como “propaganda de guerra” a ambos os lados do conflito. As previsões sobre o desenrolar dos combates eram aceitas pela maior parte dos pobres soldados que se amontoavam nos campos de batalha. Promessas de vitória eram o encorajamento de que muitos precisavam, e alguns astrólogos, cientes disso, fizeram uso de seus escritos como instrumentos de persuasão.

O ritmo daquela “batalha de publicações” foi frenético, e pareceu coincidir com o próprio ritmo intenso dos combates. Nos seus almanaques anuais e outras obras publicadas incessantemente, astrólogos como George Wharton, Willian Lilly e John Booker apresentaram prognósticos sobre questões políticas, sociais e religiosas. Os astrólogos, estivessem eles a favor do rei Charles I ou do Parlamento, tinham consciência do poder da “arma de propaganda” em suas mãos. 3

3 Sobre o uso em geral de escritos astrológicos e profecias como propaganda nesse período podemos citar os trabalhos de Harry RUSCHE:“Prophecies and propaganda, 1641 to 1651”. The English Historical Review,Oxford: Oxford University Press, v.84, n.333, p.752-770, Oct. 1969; e “Merlini anglici: Astrology and propaganda from 1644 to 1651”, idem, v.80, n.315, p.322-333, Apr. 1965.

Folha de rosto de um almanaque publicado pelo astrólogo Jonh Booker 1646

 Muitas vezes indo bem além da especificidade que as regras astrológicas permitiam, as previsões apontavam datas e locais em que um lado ou outro seria vitorioso e refletiam bastante diretamente o engajamento desses profissionais no conflito. Outras vezes, como se pode notar, esses astrólogos simplesmente deixavam de lado a astrologia e expunham suas apreciações pessoais sobre a realidade que os cercava.Tanto suas previsões astrológicas, quanto suas opiniões sem embasamento astrológico tinham grande credibilidade perante o público.

Não é exagero dizer que esses profissionais eram, na época, formadores de opinião. E isso era fundamental, já que ambas as forças envolvidas no conflito necessitavam do empenho dos soldados, bem como do apoio da população para a instalação e manutenção das tropas nos condados. Eram importantes, para isso, uma eficiente propaganda e estratégias de convencimento, pois, como se sabe, a população de modo geral desejava paz, resistia a participar do conflito e tratava as tropas com hostilidade, chegando, em alguns casos extremos, a expulsá-las de seus territórios. A guerra, de fato, representava transtorno. Trazia a violência para muito perto, pois além dos combates, os soldados mal pagos cometiam pilhagens. Além disso, impingia taxações ainda mais pesadas e muitas vezes provocava a perda dos meios de subsistência. O teor das previsões era, portanto, fundamental, já que as derrotas faziam diminuir ainda mais o apoio, pois pareciam tornar inúteis os pesados esforços e encargos necessários para mantê-lo.

Os Almanaques Astrológicos da Década de 1640

A pesquisa que deu origem a este artigo analisou vasta gama de almanaques astrológicos ingleses da década de 1640, e pôde identificar vários pontos relevantes. À exceção de poucos trabalhos analisados, a maior parte nãoapresenta comentários explícitos nem mesmo mensagens implícitas ou propositadamente codificadas acerca de questões políticas, religiosas e sociais da época.

Em boa parte do material analisado nada foi encontrado (mesmo em seções de aparência inocente como listas de feiras etc.) que pudesse sugerir a intenção dos autores de expressar opiniões acerca dessas questões ou mesmo qualquer iniciativa de sensibilizar o leitor para esses assuntos. Isso pode ser dito também a respeito dos almanaques publicados após a eclosão da Guerra Civil em 1642, quando a censura caiu e os autores tiveram mais liberdade de expressão. 5

5 Sobre a queda da censura ver HILL, C. The century of revolution, 1603-1714. (1.ed. 1961). London: Abacus, 1974. p.64, 66; e também CAPP, 1979, p.47. A historiadora Norah Carlin afirma que a queda da censura teria possibilitado o tom mais agressivo e o aumento do volume de escritos radicais que defendiam o Parlamento e o direito dos súditos frente à autoridade real (CARLIN, N. The causes of the English civil war. Oxford: Blackwell, 1999. p.150-151).

A simples leitura desses almanaques não demonstra que foram escritos num período tão conturbado da história inglesa. De modo geral, nota-se, aliás, certa apatia quando se compara os almanaques de um mesmo autor para anos consecutivos. Havia pouca ou nenhuma mudança de um ano para o outro no que diz respeito ao conteúdo dos almanaques.

Mesmo os comentários sobre as quatro estações muitas vezes eram apenas descrições gerais das suas qualidades, sem qualquer previsão específica para o ano em questão. Em relação aos eclipses esperados para o ano, os comentários geralmente se restringiam a uma breve descrição do evento desacompanhada de prognósticos astrológicos mesmo no que diz respeito à meteorologia.

A grande maioria dos autores parecia tratar com indiferença as delicadas questões que então faziam parte do cotidiano dos seus leitores. Porém, alguns poucos astrólogos, pode-se notar, expuseram em seus almanaques previsões astrológicas sobre a situação política, religiosa e social, além de suas próprias reflexões acerca desses assuntos.

Pelo que se pôde notar, isso ocorreu de forma mais clara à medida que a situação social se agravou, nos trabalhos de autores como John Booker e George Wharton, nas seções já comuns aos almanaques da época. E, como se pode observar, os que se dispuseram a tecer comentários políticos pareceram de fato aderir abertamente à posição escolhida.

Os almanaques do astrólogo George Wharton são um bom exemplo disso. As edições para os anos de 1641 e 1642, escritas antes da eclosão da guerra, apresentam cálculos para a cidade de Durham e foram publicadas pela Company of Stationers. Já a edição para o ano de 1644 traz suas previsões calculadas para a cidade de Oxford, principal reduto realista durante a guerra, e na folha de rosto mostra a seguinte inscrição: “Impresso em Oxford por ordem de Sua Majestade”.

O almanaque de 1642 de Wharton já insinuava sua posição de apoio ao rei. Apresentava uma tabela de reis ingleses, comum aos almanaques daquela década, mas terminava com um aconselhamento nada habitual para que as pessoas não amaldiçoassem o rei nem mesmo em pensamento. Já na edição de 1644, a tabela e o comentário parecem ter ganhado mais destaque ao serem inseridos ainda na abertura da publicação.

É interessante notar ainda que as edições para 1641 e 1642 apresentavam no início dos calendários pequenos poemas com mensagens codificadas em algumas de suas linhas. Essas mensagens traziam comentários sobre as circunstâncias políticas, sociais e religiosas da época, e em alguns casos, insinuavam o apoio de Wharton ao rei. Já na edição de 1644 tais poemas cifrados não aparecem, mas o calendário carrega consigo uma interessante cronologia para a Guerra Civil, escrita em linguagem totalmente clara e notadamente propagandista da causa realista.

À medida que a situação se complicava, Wharton parecia se empenhar de modo mais intenso e explícito na defesa de suas convicções. Isso se pode notar até mesmo se compararmos as folhas de rosto de edições sucessivas de seus almanaques. Os exemplares para 1641 e 1642 davam destaque ao que era comum na época: previsões meteorológicas e comentários sobre as estações do ano. Já na folha de rosto do almanaque para 1644 não havia alusão a esses elementos que, até então, tanto pareciam chamar a atenção das pessoas e tornavam o almanaque atrativo. O destaque impresso na folha de rosto era para “uma breve Cronologia das mais notáveis ocorrências desde o começo desta Rebelião”.

Aliás, de fato, pouco espaço nesse almanaque é dedicado às previsões meteorológicas. E embora houvesse algumas seções genéricas, comuns aos almanaques da década de 1640 (como instruções sobre sangrias, comentários sobre doenças, as estações do ano etc.), os comentários sobre política e a guerra civil foram a tônica do almanaque de Wharton para aquele ano.

Apontamentos sobre a guerra, de fato, eram de grande interesse para os leitores dos almanaques, como evidencia o teor das inscrições existentes em exemplares dessas publicações ainda hoje conservados.

Sabe-se que os almanaques eram utilizados pelas pessoas como uma espécie de agenda. Os compromissos diários eram anotados em lacunas deixadas em branco pelo autor, especialmente para esse fim, ao lado de cada mês do calendário. Um exemplar do almanaque de John Booker para 1643, conservado na British Library, mostra, por exemplo, que seu proprietário se interessava pela guerra a ponto de anotar nessas lacunas os principais acontecimentos de cada mês do conflito. Deve-se destacar, aliás, que não devia ser meramente casual a escolha de um almanaque de Booker para realizar tais anotações, já que o astrólogo foi, na época, um dos que mais utilizaram seus escritos para tratar de assuntos relativos às disputas então em curso.

As Cronologias

Uma seção bastante freqüente na grande maioria dos almanaques é a cronologia histórica, muitas vezes anunciada como “a cronologia dos eventos importantes para a história da humanidade desde o início do mundo”. Curiosamente, no entanto, nos almanaques da década de 1640, essas cronologias raramente chegam até próximo ao ano das publicações.Muitas apresentam como último registro algo ocorrido oito ou nove anos antes, às vezes até mais. Essas cronologias, portanto, não fazem referência aos episódios então recentes,muito menos aos acontecimentos relacionados à Guerra Civil.

É interessante pontuar, aliás, que geralmente os anos se passavam e novos eventos não eram incluídos nessas cronologias. Essa constatação é possível quando não se analisam os almanaques de forma isolada. Neste caso, ao contrário, são comparadas as produções de um mesmo autor para anos consecutivos a fim de verificar possíveis mudanças de comportamento, como a inclusão ou exclusão de seções, a inexistência de comentários sobre as condições da sociedade em determinado ano e a existência desses comentários no ano seguinte.

Esse procedimento, no caso das cronologias, revela outras situações potencialmente significativas. Nota-se que o almanaque Dove de 1641, por exemplo, registrou, em tom animado, a expedição do rei Charles I à Escócia, em 1639, para “calar os escoceses”. O resultado desastroso da empreitada pode estar relacionado ao fato de, nos anos seguintes, o mesmo almanaque excluir esse registro da cronologia.

Outro ponto que não se poderia deixar de destacar é a importância do modo como os registros aparecem na cronologia. Um caso bastante interessante diz respeito ao registro de um episódio notório na história inglesa. Em novembro de 1605, papistas tentaram, sem sucesso, matar o rei e os membros da Câmara dos Lordes e dos Comuns, colocando grande quantidade de explosivos debaixo do Parlamento na ocasião de uma visita real.

O modo como esse acontecimento é mencionado nas cronologias varia de maneira bastante peculiar de um almanaque para outro. E, nesse caso, é bem possível que as diferentes nuances dadas às descrições desse evento sejam reflexo do engajamento religioso e da opinião pessoal de cada autor a respeito daquela ocorrência.

Nessas cronologias, há registros tão eloqüentes no que diz respeito à indignação em relação a esse acontecimento quanto “o condenável powder treason”, no almanaque de Poole para 1642, ou “a diabólica tentativa do Powder treason”, na edição de Pond para 1643. O mais comum, no entanto, é encontrarmos “The Powder-treason” ou “Gunpowder Treason”, tal como nos almanaques de Swallow,Wing, Dove e White para 1641. Sobre estes últimos registros em particular, deve-se notar que o uso da palavra treason já traz consigo embutido a reprovação à tentativa do grupo católico.Vale destacar, ainda, que outros detalhes de boa parte dessas cronologias sugerem que seus autores eram protestantes convictos ou ao menos tinham a intenção de defender grupos religiosos protestantes. É bastante significativo, por exemplo, que, numa cronologia que reúne poucos eventos, Swallow parece fazer questão de registrar: “Martinho Lutero pela primeira vez se opôs ao Papa” e “O massacre de Protestantes na França”. Igualmente emblemático é o fato de que, também em curtas cronologias, Wing e White registram esse último episódio simplesmente como “massacre na França”. Aliás, se o próprio fato de a morte dos protestantes ser registrada como “massacre” já indica por si só reprovação à ocorrência, mais contundente ainda é o modo como Dove se refere ao episódio: “O massacre de Protestantes em um casamento na França. Onde não houve tanto vinho bebido quanto sangue derramado…”.

Como se pode notar por esses exemplos, as cronologias dos almanaques astrológicos revelam muito a respeito das atitudes dos seus autores em relação à realidade que os cercava. Nesse sentido, o presente artigo se dedica a analisar alguns aspectos de cronologias particularmente interessantes observadas na leitura dos almanaques da década de 1640: a cronologia satírica apresentada pelo The Welsh-Mans new Almanack em 1643, e a cronologia da guerra publicada por Wharton no seu almanaque para 1644. E, no caso desta última, discutiremos também a correspondente resposta apresentada pelo astrólogo rival John Booker em seu almanaque.

A Cronologia do The Welsh-Mans New Almanack de 1643

Dentre os almanaques especialmente interessantes da década de 1640 e, ao mesmo tempo, particularmente difíceis de serem compreendidos podem ser destacados os almanaques satíricos. Em meio a frases propositadamente sem o menor sentido, zombarias sobre eventos ocorridos na época e personagens conhecidos pelo público leitor, esses trabalhos constituem muitas vezes um material rico em termos de crítica social.

O The Welsh-Mans new Almanack de 1643, escrito, pelo que se pode notar, numa linguagem intencionalmente repleta de erros, apresenta uma cronologia de eventos notáveis no “Principado de Gales e também no Condado da Inglaterra”.

Embora, como dissemos, uma seção dedicada à cronologia fosse comum nos almanaques, nada se compara à irreverente cronologia apresentada nessa publicação burlesca. Boa parte dos eventos mencionados como históricos são do tipo: “Desde que ele (assim o autor do almanaque refere-se a si próprio) comprou duas jardas de pudim por um penny, 1602”. Ou ainda: “Desde que ele tem 5 ladrões além dele mesmo em sua casa; ou seja, em inglês claro, uma esposa e quatro filhos, 1631”.

Em meio a essas zombarias sem sentido, há, no entanto, registros que parecem refletir uma forte crítica à situação social então vigente. Vários casos significativos poderiam ser aqui discutidos. Um dos itens da cronologia, por exemplo, comenta:

Desde que a Inglaterra foi considerada um lugar muito bom para se viver, e ele (o autor) moraria lá… se ele pudesse ficar seguro das batalhas de Kenton e de um garoto verdadeiramente canalha de avental branco que trouxe para ela um vil reconhecimento, que espolia tudo. Mas ele não irá fazer questão disso por causa de todas essas mudanças com ela agora… Porque aqui agora não é nada além de disputa por subornos e um matando o outro por oito pences por dia, além de um pedaço de queijo duro e um pão preto quando ele fica de sentinela…

Ao que tudo indica, neste extenso e confuso item da listagem de ocorrências há embutidas algumas críticas bastante pontuais. E, de fato, numa clara confissão de que seu trabalho não apenas iria apresentar interpretações com base na astrologia, mas também suas opiniões, o autor prometia no almanaque descrever os eventos de acordo com as estrelas, o sol e a lua, e de acordo com o que lhe agradasse.

É bem possível que o “garoto verdadeiramente canalha de avental branco” que despojava as pessoas de tudo o que possuíam, e do qual o nosso autor queria ficar distante, fosse o próprio rei Charles I, cuja coroação havia sido marcante na época dado o incomum uso de um manto branco. Como a identificação de Charles como o rei do manto branco era imediata, a mensagem desse trecho do The Welsh-Mans new Almanack seria facilmente compreendida pelo leitor coetâneo. Ainda a respeito desse trecho citado, pode-se notar que o autor lamenta a guerra e gostaria de poder se afastar daquela situação. As circunstâncias de pobreza e fome dos soldados mal pagos parecem evidentes nas suas observações. Além disso, como transparece pelo seu discurso, a corrupção e o pouco valor à vida eram condições então comuns. Outro trecho da cronologia, que se remete a 1642, indicando-o como o ano em que a pilhagem se tornou habitual e os “homens pobres matam-se uns aos outros por oito pences por dia”, parece ser uma clara alusão à Guerra Civil iniciada em outubro daquele ano. 11

11 William Lilly, um dos astrólogos mais importantes da época, também fez alusão ao rei Charles I usando esse artifício na sua interpretação para a “profecia do Rei Branco” (ver LILLY,W. A prophecy of the White King and Dreadfull Dead-man explaned.. London: G. M., 1644). Além disso, críticas ao fato de que as pessoas estavam sendo espoliadas, assim como freqüentes referências à corrupção na época aparecem em trabalhos de Lilly. Ver FERREIRA, J. As influências celestes e a Revolução Científica: a astrologia em debate na Inglaterra do século XVII. Tese (Doutorado em Filosofia) – Programa de estudos Pós-Graduados em Filosofia. São Paulo: Pontifícia Universidade Católica de São Paulo, 2005. cap. 2. O trecho “homens pobres matam-se uns aos outros por oito pences por dia”, citado neste parágrafo, é uma tradução livre do original: “poor men kill one another for eight pence a day 1642” (ANON, 1643, p.1).

 Booker Versus Wharton, Propaganda na Cronologia e no Revide à Cronologia da Guerra

Somente vitórias, poucas baixas, superioridade numérica?

Uma das cronologias mais interessantes apresentadas nos almanaques da década de 1640 não é exatamente de fatos relevantes para a história da humanidade em geral, mas sim a já mencionada cronologia da Guerra Civil apresentada por George Wharton em 1644, que compreende eventos até outubro de 1643, quando o almanaque foi escrito.

Essa cronologia destoa completamente não só do que era usual nos almanaques, mas também do que o próprio astrólogo apresentou no seu almanaque para 1642, escrito antes da eclosão da guerra. Naquela ocasião, ele publicou uma habitual listagem de fatos de importância geral para a história da humanidade, que em nada fugia à regra de não se aproximar dos eventos recentes. Terminava sete anos antes de 1642.

Já a cronologia para 1644 dizia respeito exclusivamente aos eventos então recentes e, pode-se notar, é peculiarmente tendenciosa. A guerra parecia correr às mil maravilhas para os partidários do rei Charles I. George Wharton apresentou apenasas vitórias dos realistas, destacando a imensa superioridade das tropas reais frente aos combatentes pelo Parlamento, a quem denominou sugestiva e insistentemente de “Rebeldes”, parecendo dar pouca legitimidade aos oponentes.

A respeito dessa denominação, Wharton relatou que, no dia 20 de maio de 1642, a Câmara dos Lordes e a Câmara dos Comuns fizeram uma manobra para evitar que fossem acusados de iniciar uma rebelião contra o rei, e, com isso, tentavam impedir que os chamassem de “Rebeldes”. Votaram que “o Rei tinha a intenção de declarar guerra ao Parlamento”. 12

12 Ver WHARTON, 1644, p.14. Em outro trecho do almanaque,Wharton se refere à Câmara dos Lordes e à Câmara dos Comuns, de modo pejorativo, utilizando a expressão “the pretended two Houses” (Ibidem, p.18).

É bem provável que Wharton estivesse fazendo alusão não a 20 de maio, mas sim a 27 de maio, quando o Parlamento declarou que o rei, “convencido por conselheiros maléficos”, tinha a intenção de declarar guerra. A partir dessa declaração ficou acertado que nenhuma ordem seria válida a menos que viesse das duas Câmaras.

O fato de Wharton ter usado a palavra “rebelde” para denominar o grupo com o qual rivalizava, não passou despercebido por John Booker. O astrólogo, partidário das forças parlamentaristas, revidou acusando Wharton e as pessoas reunidas em Oxford, além dos “Sangrentos Rebeldes Irlandeses” de serem os verdadeiros rebeldes: “Vocês são os Rebeldes e traidores de Sua Majestade”. 13

13 BOOKER, 1644, p.1. O almanaque de Wharton havia atacado diretamente o astrólogo John Booker e sua publicação para aquele mesmo ano, o que talvez tenha motivado esses comentários tão contundentes.

Como oponente, John Booker não tinha motivos para reagir favoravelmente à cronologia do almanaque de George Wharton. Para cada registro de vitória das forças realistas, Wharton invariavelmente mencionou, com detalhes muitas vezes sangrentos e forte ênfase, que o número de mortos e feridos no lado realista foi praticamente ínfimo se comparado ao mesmo tipo de registro no grupo dos defensores da causa do Parlamento. Além disso, no discurso de Wharton, a morte ou captura de oficiais com altas patentes do lado do Parlamento foi sempre destacada como alta e significativa se comparada ao lado Realista. Outro número que ele parecia fazer questão de enfatizar foi o de armas e munições apreendidas.

É interessante notarmos, aliás, que embora o número de soldados comuns mortos pelas forças realistas fosse enorme (segundo a descrição de Wharton), isso não parecia ser tomado pelo autor como crueldade ou ações sangrentas, mesmo diante de um inimigo qualificado como despreparado e inofensivo.

Em compensação, qualquer ação dos oposicionistas contra realistas importantes parecia ser tomada por Wharton como sangrenta ou cruel. Esse é o caso, por exemplo, da morte do Marquês de la Vieuville que, após ter sido feito prisioneiro, teria sido “morto pelos Rebeldes a sangue frio”. Acusações de que realizavam “crueldades sangrentas e desumanas” igualmente faziam parte do discurso de John Booker contra os realistas, mas esse, pode-se notar, particularmente se referia à morte de pessoas comuns, penalizadas por uma guerra pela qual não eram responsáveis. 14

14 Os trechos “morto pelos Rebeldes a sangue frio” e “crueldades sangrentas e desumanas” têm, respectivamente, as seguintes localizações nos almanaques de Wharton e Booker: WHARTON, 1644, p.22 e BOOKER, 1644, p.2.

Os discursos desses autores pareciam refletir seriamente suas estratégias propagandistas. Um exemplo típico nesses relatos de Wharton pode ser citado. Num combate em maio de 1643 teria havido centenas de mortos, um número ainda maior de feridos, 1.700 prisioneiros, incluindo 30 comandantes: “havendo não mais de que 46 nas forças do Rei mortos ou feridos, e entre esses nenhum comandante ou Cavalheiro de qualidade”.

Pelo discurso do autor, tem-se a impressão de que naquele grupo muitos eram feitos prisioneiros, ao passo que nas tropas realistas isso pouco parecia ocorrer. Sabe-se, no entanto, que vários eventos não mencionados poderiam sugerir que a situação não havia sido exatamente assim, e que tropas realistas inteiras foram capturadas em algumas ocasiões. George Wharton, por exemplo, não mencionou que no mês de abril de 1643, Cromwell capturou a tropa realista em Crowland, Lincolnshire.

A linguagem empregada por Wharton foi de plena exaltação às tropas realistas e deboches em relação ao grupo contrário:

os seus Generais foram afugentados e sua tropa completa arruinada.

as forças do Conde de Newcastle … arruinaram totalmente uma tropa completa de Rebeldes (consistindo em cerca de mais de 3.000 homens)…

foram tão bravamente repelidos pelas forças de Sua Majestade … que eles fizeram o possível para fugir o mais depressa que puderam…

eles fugiram e tão rápido, que embora tivessem começado a ser perseguidos assim que o Príncipe (Rupert) se apoderou da cidade (Birmingham), ainda assim poucos de seus cavalos foram capturados, e somente cerca de 80 Rebeldes foram mortos, e igual número de Prisioneiros feitos…

Parlamentaristas incompetentes e covardes versus realistas competentes e corajosos?

 Ineficiência dos “rebeldes” versuseficiência das tropas realistas parece ser a tônica do discurso de Wharton. Os defensores da causa do Parlamento foram delineados como despreparados e covardes. Pareciam sempre fugir desesperadamente do campo de batalha, quando se davam conta da superioridade do inimigo, ou mesmo antes de entrarem no campo de batalha, quando se davam conta de sua culpa. Abandonavam armas, munições e deixavam seus companheiros de luta feridos à sorte dos inimigos. Render-se-iam quando se davam conta de sua impotência para lutar contra as forças realistas. “Absolutamente arruinados” talvez seja a expressão mais conveniente a ser usada em referência ao modo como a cronologia os descreve.

Alguns pontos, no entanto, merecem ser destacados. Retirar-se dos campos de batalha não foi uma atitude exclusiva das forças favoráveis ao Parlamento. Isso aconteceu mais de uma vez com os realistas. Podemos citar alguns poucos notórios exemplos. Em 4 de abril de 1643, quando sir William Waller se aproximou de Monmouth, as tropas realistas se retiraram para Raglan Castle, permitindo que os defensores da causa do Parlamento ocupassem a cidade. Evento semelhante ocorreu com a tropa liderada pelo conde de Derby em Lancashire, ainda naquele mesmo mês. E, novamente, em setembro de 1643, quando as tropas de Essex chegaram aos arredores de Gloucester, as forças do rei decidiram se retirar. Em outubro daquele ano o fato de repetiu em Newport Pagnell.

Na cronologia de Wharton, as atitudes de muitos personagens de destaque na Guerra Civil são diretamente contrapostas. Líderes das forças oposicionistas são particularmente mencionados como covardes e incompetentes. Assim Wharton se refere, por exemplo, aos comandantes sir William Brereton e sir John Gell: “Gell e Brereton (dois covardemente Rebeldes)”. Em contraposição, comandantes realistas são efusivamente elogiados: “o muito Nobre e valente Conde de Northhampton”. 19

19 Os trechos citados nesse parágrafo encontram-se na mesma página no original do almanaque: WHARTON, 1644, p.9. É pouco provável que os comandantes das tropas realistas fossem tão mais competentes do que os seus adversários, como Wharton procurava destacar. Ao iniciar a campanha de 1643, o rei havia delegado o comando de tropas a pessoas inexperientes, escolhidas em função do status social e prestígio local a fim de conseguir harmonia entre as tropas e as comunidades locais. A medida se mostraria inadequada, pois boa parte das tropas sofreu tão graves derrotas, que o rei se viu obrigado a reverter a estratégia e delegá-las a homens de destacadas habilidades militares como o príncipe Rupert (ver HUTTON, 1986, p.55-56).

A covardia dos inimigos parece contrastar fortemente com a valentia da família real. A cronologia aponta que a família buscou segurança em Hampton Court, em janeiro de 1642, antes do início efetivo da guerra. O discurso ressalta, no entanto, que tão logo a guerra começou a família real teve alguns de seus membros à frente de tropas. O próprio rei, além de seus filhos, não fugiram ao campo de batalha, servindo de exemplo para outras pessoas, embora tivessem suas próprias vidas ameaçadas. Nas vitórias mencionadas por Wharton, nota-se o papel de destaque de outro membro da família real, o príncipe Rupert, no comando das tropas realistas. Rupert, de fato, foi um dos personagens centrais da guerra e atuou intensamente nos combates. Havia, portanto,muitos motivos para que Wharton o elogiasse e os oposicionistas o atacassem: Rupert tornou-se um dos principais alvos do astrólogo defensor da causa do Parlamento William Lilly. 20

20 A respeito da atitude do rei no conflito,Wharton apontava: “Cuja destemida coragem Real deu ânimo a todos os homens” (WHARTON, 1644, p.24). Para referências de Wharton a Rupert ver Ibidem, p.7, 15, 18; e para os comentários do astrólogo sobre a ida da família real para Hampton Court ver Ibidem, p.5. A transferência da família real para Hampton Court é objeto de estudo de Conrad Russell no cap. 12 de sua obra The Fall of the British monarchies, 1637-1642. Oxford: Oxford University Press. Para comentários sobre os ataques de William Lilly a Rupert ver FERREIRA, 2005, cap. 2, seção 3 e GENEVA, A. England’s propheticall Merline decoded: a study of the symbolic art of astrology in Seventeenth Century England. Tese (Doutorado em História) – State University of New York. New York: Stony Brook, 1988. p.350-359, 399-401.

Booker ou Wharton, quem estava certo?

O caráter francamente tendencioso da cronologia apresentada por Wharton em seu almanaque não passou incólume no século XVII. Booker insinuou que os números apresentados pelo astrólogo real não eram corretos, e que muitas vidas haviam sido desnecessariamente perdidas também do lado realista. Para ele, a intenção de Wharton ao descrever a situação daquela maneira era impedir a reação do público, que se soubesse do real derramamento de sangue iria se revoltar. Chamada por Booker de “infame” ou “nada além de uma coleção de inverdades”, a cronologia foi comentada, mas, pode-se notar, de modo não menos tendencioso, pelo astrólogo partidário das forças do Parlamento. Booker parecia insinuar que as verdadeiras vitóriashaviam sido somente as dos parlamentaristas.

John Booker acusou Wharton de dizer mentiras: “Leitor, acredite. Nunca houve um número tão grande de Mentiras apresentadas juntas em tão poucas e curtas linhas desde que a palavra Almanaque começou a ser usada”. O público que ainda não havia adquirido aquele trabalho foi aconselhado por Booker a, de fato, não o fazer. Assim, evitava o risco de ser persuadido a acreditar nas palavras de Wharton, e tornar-se vítima daquela “doença infecciosa que agora ataca Oxford”.

Vale a pena discutirmos até que ponto Booker tinha razão ao qualificar a cronologia como mentirosa. Verificando a descrição apresentada por Wharton, nota-se que nem todas as vitórias dos realistas são mencionadas. Ele poderia ter trazido à baila muito mais eventos se assim o quisesse. Citando alguns exemplos, podemos destacar a derrota humilhante de William Waller nas investidas para tomar Basing em novembro de 1643, quando suas tropas chegaram a ser atacadas por mulheres armadas com paus e pedras. Ainda em março daquele ano, os realistas haviam sido bem-sucedidos em Devizes e Malmesbury, por exemplo. E, em maio, ocorreram a ocupação realista em Yorkshire e a vitória de John Byron em Bicester, Oxfordshire.

É bastante significativo, também, que todasas muitas batalhas nas quais as tropas do Parlamento venceram foram omitidas por Wharton, assim como muitos outros eventos favoráveis àquele lado do conflito.

Em 7 de janeiro de 1643, por exemplo, um ataque malsucedido dos realistas em Cirencester foi omitido na cronologia. Em compensação, quando de fato as forças realistas conseguiram uma vitória em Cirencester, em 2 de fevereiro, aí Wharton se preocupou em registrar. Em março de 1643 os realistas foram derrotados após intensos combates pelas tropas parlamentaristas sob o comando de sir William Brerenton na “primeira batalha de Middlewich”. Em outubro de 1643, os realistas foram derrotados na Batalha de Winceby (também conhecida como Batalha de Horncastle) e tiveram baixas muito superiores às dos inimigos. Na campanha de 1643, à exceção do conde de Newcastle, vários outros comandantes de tropas realistas como os condes de Derby e Carbery, além dos lordes Herbert e Capel sofreram graves derrotas, tiveram tropas inteiras arrasadas ou perderam o controle de áreas já dominadas.

Todos esses eventos foram omitidos por Wharton. Pode-se dizer que a lista de vitórias do Parlamento excluídas, muitas das quais bastante significativas, é bastante extensa e se prolonga por todos os meses da cronologia.

Na cronologia de Wharton, meses nos quais se pode dizer que a situação se configurou mais favorável ao grupo partidário do Parlamento (como setembro e outubro de 1643) são apresentados de maneira a parecerem mais favoráveis aos realistas. Aliás, todos os meses parecem ter sido não somente favoráveis a eles, como completamente dominados por eles. Isso, no entanto, sabe-se que não correspondeu à realidade.

Por um lado, o mês de julho de 1643 talvez não tenha sido mesmo dos mais favoráveis às forças do Parlamento, pois, de fato, ocorreram as importantes vitórias dos realistas destacadas por Wharton. Por outro, no entanto, houve também vitórias dos parlamentaristas em Gainsborough, ainda que momentâneas, e tentativas frustradas dos realistas em Bradford.

Durante os seis primeiros meses da Guerra Civil várias regiões estavam dominadas pelas forças do Parlamento ou mesmo estavam engajadas a favor dessa porção do conflito. Sendo assim, parece estranho que a descrição de Wharton dessas primeiras ocorrências da guerra correspondesse à realidade. Além disso, o conflito não era fácil para nenhum dos dois lados. Em vários condados como Leicestershire, Nottinghamshire, Cheshire, Lancashire e Yorkshire, nenhuma das forças envolvidas atingiu uma ascendência definitiva durante o inverno de 1642-1643. Quanto aos primeiros meses de 1643, a situação se mostrava indefinida em muitas regiões. Os dois grupos haviam se enfrentado brutalmente a fim de dominar a região de Ribble em direção a Mersey, no sul, mas os realistas foram, pouco a pouco, forçados a recuar em direção à costa. Durante um bom período os defensores da causa parlamentarista dominaram importantes regiões do território inglês, e somente com a intervenção do conde de Newcastle, em dezembro de 1642, a situação começaria a mudar.Mesmo assim, nenhuma vitória decisiva nessas regiões ocorreria nos primeiros meses de 1643.

Além disso, se boa parte das descrições apresentadas por Wharton conferem em termos de nomes e locais com o que se conhece a respeito dessas batalhas, é notável o fato de que algumas batalhas nas quais os realistas não poderiam declarar-se vitoriosos tenham sido transformadas pelo autor em grandes triunfos. Wharton descreve, por exemplo, uma vitória altamente favorável ao rei em 20 de setembro de 1643 próxima a Newbury. A disputa, no entanto, conhecida como a “Primeira batalha de Newbury” não teria sido nada favorável aos realistas, que depois de um dia de intenso combate teriam decidido retirar suas tropas, deixando o caminho livre para o conde de Essex, comandante das forças oposicionistas. Nomes e locais da descrição de Wharton conferem, porém o resultado do embate não.

Alguns problemas na cronologia de Wharton foram detectados pelo astrólogo John Booker. Este, no entanto, parece ter respondido a algumas questões também tentando favorecer o grupo do qual fazia parte.

Dirigindo-se aos leitores do almanaque de Wharton, ele argumentou: “Eu poderia contar a ele sobre Alton, Gainsborough, Arundell &c.”. O astrólogo insinuava que Wharton se absteve, por má fé, de mencionar aquelas batalhas ganhas pelos parlamentaristas.

Pode-se dizer que, de fato, Booker tinha certa razão quando acusava Wharton de ter agido como se as forças realistas fossem as únicas vitoriosas até então na Guerra Civil.Muitas vitórias importantes dos parlamentaristas poderiam ter sido mencionadas caso não se tratasse de uma cronologia tendenciosa e propagandista. Booker estava certo ao lembrar ao leitor o episódio em Alton, quando os realistas foram surpreendidos pelas tropas do Parlamento. A cavalaria realista se dispersou, parte das tropas bateu em retirada e o restante foi capturado. Mas pode-se dizer que Booker ou havia escolhido mal quando decidiu mencionar um daqueles casos, ou também agiu de má fé. De fato, em julho de 1643, Gainsborough chegou a ser tomada pelas forças do Parlamento, mas antes do fim do mês acabou se rendendo aos realistas.

Há ainda batalhas consideradas indecisivas que foram apresentadas por Wharton como grandes vitórias dos realistas. Uma das situações descrita pelo astrólogo nos moldes já mencionados (ênfase e superioridade numérica) foi uma suposta grande vitória realista em 23 de outubro de 1642 entre Keynton e Edgehill. A batalha, no entanto, teria sido indecisiva, e ambos os lados do conflito clamaram vitória.

Algumas divergências entre o que teria de fato ocorrido e essa narrativa de Wharton foram insinuadas por John Booker. Para ele a “simples lembrança de Keynton, Edge-hill ou Newbury” fariam o astrólogo realista “cair morto”.

Se considerarmos que, nesse caso, Booker estava insinuando que as tropas do Parlamento haviam vencido essas batalhas, pode-se, então, dizer que ele estava tentando manipular os resultados daqueles conflitos. Mas, se considerarmos que a queixa de Booker dizia respeito ao fato de os realistas não terem sido tão superiores quanto Wharton alegava e, muito pelo contrário, terem passado por situações dramáticas, pode-se dizer que ele tinha razão.

Na batalha de Newbury, cada uma das forças envolvidas no conflito teria perdido cerca de 3.500 homens, mas a porção realista havia perdido alguns de seus partidários mais importantes. As forças realistas decidiram se retirar, embora tivessem conseguido derrotar a cavalaria do Parlamento. O conflito foi, então, considerado um impasse, já que nenhum dos lados podia alegar uma vitória contundente.

Mencionar a batalha de Newbury, portanto, fazia bastante sentido, no que tange a dizer que os realistas não foram tão bem-sucedidos quanto Wharton parecia insinuar. Essa, no entanto, não parecia ser a intenção de Booker. Ao que tudo indica, tanto no caso de Newbury, quanto no de Edgehill e Keynton, cada um tentava tirar partido da situação para o grupo que defendia. Booker insinuava que os parlamentaristas haviam vencido essas batalhas, e Wharton, por sua vez, que os realistas haviam vencido. Dizer-se vencedor de uma batalha não mudava o resultado do embate já ocorrido, mas influenciava, e muito, os resultados dos embates futuros…

Considerações Finais

Os almanaques astrológicos tinham ampla circulação e alcance. Só por isso, já poderiam ser considerados extremamente convidativos no que tange ao seu potencial como veículo de propaganda político-religiosa para quem assim o pretendesse. Além disso, ainda havia muito mais que ressaltasse essa sugestiva potencialidade.

As previsões astrológicas apresentadas nessas publicações eram recebidas com expectativa e credulidade. Para quem assim o desejasse, era possível manipular tais previsões de modo a torná-las favoráveis a um grupo ou outro, por exemplo, fazendo-as muito mais específicas do que a astrologia permitia. Isso ocorria no caso das previsões apresentadas nos calendários dos almanaques, que não foram objeto de discussão do presente artigo.

Além disso, como os autores desses almanaques desfrutavam de amplo prestígio, não só o que diziam em termos de prognósticos merecia a atenção do público. E, por isso, partes do almanaque não exatamente relacionadas a previsões astrológicas podiam também ser usadas para enviar mensagens desses autores sobre a realidade que os cercava.

A cronologia, uma seção específica e então comum aos almanaques, foi amplamente usada neste sentido. Era possível, nesse caso, comentar um evento de maneira tal a favorecer ou denegrir a imagem de um grupo ou uma pessoa em particular. Podia-se deturpar ou ocultar dados de modo a reverter situações desfavoráveis, ou ainda enfatizar um ou outro aspecto de determinada situação…

Como vimos aqui, ao apresentarem suas versões dos fatos então ocorridos alguns autores procuraram defender grupos dos quais faziam parte, como foi o caso de John Booker e George Wharton, ou refletiram sobre como aqueles fatos se inseriam no contexto maior da sociedade em que viviam, como foi o caso do Welsh-Mans new Almanack. Nota-se, assim, que os almanaques, e, nesse caso, mais especificamente suas cronologias, representam um material muito rico para compreender como as pessoas daquela época vivenciaram tais acontecimentos e interagiram com aquele contexto.

§

Los Astros Politizados

Los almanaques astrológicos como difusores de ideas políticas durante la Guerra Civil Inglesa

Federico Mina

La importancia de la astrología en la historia de la ciencia no puede desestimarse. Según Lynn Thorndike (1955), hasta el siglo XVII la idea de que los cuerpos celestes tienen algún tipo de influencia en los fenómenos terrestres era implícita o explícitamente aceptada en general. Además, lejos de ser patrimonio de una disciplina científica, la ley natural astrológica (como la llama Thorndike) trascendía a todas las ramas del conocimiento: no sólo la astronomía suponía esta ley, sino también la medicina, la alquimia e incluso la vida cotidiana estaban en mayor o menor medida influidas por ésta. Incluso era tema de discusión en cuestiones religiosas, ya que la mayoría de las críticas a la astrología hasta el siglo XVII provenían de miembros del clero, y sus ideas no se dirigían contra la astrología por ser ésta una idea falsa, sino, por el contrario, por ser verdadera pero peligrosa. Estos hombres veían algo de diabólico en algunas de las aplicaciones de la astrología, pero, como veremos luego, puede ser que la práctica astrológica haya tenido características que desafiaran a la práctica religiosa misma, y ésa puede ser la causa por la que hayan despreciado como práctica; sin embargo, su veracidad estaba siempre fuera de discusión, al menos hasta que, durante el reinado de Isabel de Inglaterra, algunos científicos como John Halle, William Fulke, Reginald Scott y otros comenzaban a desconfiar de la disciplina. Sin embargo, esa desconfianza no era compartida por todos, ni siquiera por la mayoría.

Hacia fines del siglo XVIII, la astrología deja de parecer interesante a la classe intelectual. En particular, Peter Wright dice que “para 1689, la creencia en la astrología constituía un tema minoritario entre la elite intelectual”. Eso no parece ser el resultado de un extenso debate, ni de una creciente virulencia contra la disciplina. Más bien como dice luego Wright, “la impresión es (…) no la de una muerte bajo ataque, sino la de un alejamiento gradual”. Se debe notar que esa progresiva distanciación de los intelectuales de la astrología fue precedida por un período de gran auge en la impresión de almanaques astrológicos en Inglaterra. Ese proceso tuvo lugar durante la Guerra Civil, en parte por la flexibilización de las reglas de censura. Más adelante esta cuestión será analizada con un poco más de detalle. Sin embargo, el tema central de este trabajo será explorar otra faceta de los almanaques escritos durante la Guerra Civil: su contenido político y social. Los almanaques de esta época reflejan en general las adhesiones políticas de sus autores, y mi objetivo en este trabajo será mostrar estas adhesiones. Creo que esto es interesante para la historia de la ciencia porque puede considerarse como una de las causas que pudieron influir en el descrédito en el que cayó la disciplina. Ciertamente, puede que los intelectuales no hayan visto con buenos ojos esa pérdida de objetividad (en algunos casos muy explícita) en la lectura de los astros. Sin embargo, no pretendo afirmar que ésta haya sido la única causa por la que la astrología dejó de parecer interesante.

En primer lugar, hay que hacer una distinción entre astrología natural y astrología judicial. La primera refiere a las influencias de los astros en el clima, las mareas (información importante para la navegación) e influencias generales en la vida de las personas. Este tipo de astrología es a la que se refiere Thorndike cuando habla de la amplia aceptación de la astrología, según lo dicho anteriormente. En el mismo sentido se expresa D. C. Allen cuando dice “Mi conclusión es que toda persona que vivió durante el Renacimiento creyó en algún grado en la astrología”. La aceptación de la astrología en ese grado es, sin duda, la causa por la que los astrólogos durante la Guerra Civil Inglesa pudieran influir tanto con sus escritos.

Obviamente ese grado de adhesión tiene alguna justificación. En primer lugar, la cosmología dominante en la época era la aristotélica. De hecho, la pérdida de interés por parte de la élite intelectual inglesa a fines del siglo XVII coincide con un nuevo paradigma general, el newtoniano, que logra reemplazar la cosmología aristotélica. Y allí donde el nuevo paradigma no tuvo influencia, por ejemplo en la biología y la medicina, la astrología continuó ejerciendo su predomínio (Thorndike, 1955). La razón por la que el pensamiento aristotélico podía ser favorable a la astrología era por la creencia de que el mundo supra lunar, el de los cielos y los astros, era incorruptible y perfecto, mientras que en nuestro mundo sublunar hay cambio y corrupción. Esa diferencia cualitativa entre un mundo y el otro deja la posibilidad de que el mundo de los cielos, superior, intervenga en el inferior, pero no a la inversa. Para la ciencia prenewtoniana, esa diferencia no sólo era posible, sino que además debía ser verdadera. Incluso en aquellos casos en los que la causa de un fenómeno parecía ser terrestre, la influencia del movimiento de los cielos debía ser causa remota del fenómeno. Según Thorndike (1955) recién en el siglo XVI la idea de una diferencia cualitativa entre el cielo y la tierra comienza a ser puesta en duda, pero en un proceso gradual que culmina con la obra de Newton y a la vez prepara el terreno para su aparición.

Otra de las razones por la que la astrología tenía tanta influencia en las personas era su utilidad tanto laboral como cotidiana. Los almanaques no sólo contenían predicciones, sino también contenían información de astronomía y cosmografía, que contribuían a formar en sus lectores una cierta concepción del mundo, justamente una que hiciera plausible la veracidad de la astrología. Además, los almanaques de esta época solían mostrar una cronología de sucesos importantes en la historia de la humanidad, mayormente sucesos religiosos como creación del mundo, el diluvio, nacimiento o muerte de santos, etc. lo que contribuía a mantener las creencias en algunos principios cristianos. También contenían información como la duración del día y la noche y las fases de la luna que según Ferreira eran útiles para la vida cotidiana en una época en la que no se contaba con energía eléctrica. Además, una descripción detallada sobre el comienzo de las cuatro estaciones era información útil para la agricultura. Por último, el escaso costo de los almanaques (1 penique) hacía de los almanaques la única lectura aparte de la Biblia de varias familias.

Por otro lado, la astrología judicial se refiere a la creencia de que hay una conexión causal directa entre el movimiento de los astros y eventos específicos en la vida humana. A diferencia de la astrología natural, ésta se interesa en predicciones particulares que van desde la muerte de un rey o la aparición de posibles rebeliones hasta predicciones sobre épocas propicias para hacer negocios. En contraste con lo dicho de la astrología natural, ésta era mucho más controversial. La mayoría de las críticas que recibió la astrología apuntaban específicamente a esta creencia. Por un lado, ponía en duda el libre albedrío de las personas. Esto obviamente entraba en conflicto directo con las ideas cristianas de la época. Pero además, según Wright (1975), la astrología judicial en tanto práctica rivalizaba con la práctica religiosa, y eso generó un conflicto de intereses más allá de las diferencias doctrinales. Ambas disciplinas ofrecían explicaciones de los eventos diários según sus sistemas de pensamiento, lo que provocó en el clero la percepción de que la práctica astrológica rivalizaba con la Iglesia. Así se explica que casi todos los ataques dirigidos a la astrología provenían de hombres del clero, y se explica también por qué no hubo una virulencia tan intensa frente a la ciencia que, si bien a veces generaba conflictos con sus cosmologías, no tuvo un rol institucional claro hasta mediados del siglo XVII en Inglaterra. Junto a la astrología, la brujería y las sectas religiosas surgidas especialmente en el Interregno compartían la característica de amenazar al ejercicio “normal”, es decir monopólico, de la religión, y por lo tanto, serían destinatarios de críticas por parte de la Iglesia por esa misma razón.

Como ya se ha dicho, durante el par de décadas de la Guerra Civil hubo una enorme proliferación de almanaques de los astrólogos. Es el momento de preguntarnos por la causa de esa proliferación que provocaría la enorme influencia de los astrólogos sobre las opiniones de las personas. Por un lado, desde el punto de vista estilístico y de contenido hubo cambios importantes. El contenido político y social de las predicciones era ahora el tema central de los almanaques. En ésta época, los astrólogos suelen identificarse claramente con uno de los bandos en conflicto durante la Guerra Civil. Esta característica debe considerarse, creo, como una de las causas por las que los almanaques son vendidos masivamente. La conflictiva situación social genera una expectativa natural en las personas por saber qué es lo que va a pasar, y en el período en cuestión, la astrología ocupa ese lugar.

Pero, obviamente, también hubo características externas a la disciplina que alentaron su crecimiento y que además reforzaron los compromisos con uno de los bandos en disputa. Así, la retirada de la censura luego de la caída de la monarquía ciertamente permitió que las publicaciones aumentaran. Por otro lado, “El rol de astrólogo propagandista durante la década de revueltas de 1640 a 1650 se convirtió tan rentable como importante”. Además, desde el nuevo gobierno y algunos sectores intelectuales se alentó a la disciplina: “Los astrólogos no sólo encontraron protección y respaldo durante el gobierno puritano, sino que también encontraron apoyo entre algunos escritores religiosos radicales que pedían la reforma de la universidad”. Y así, personas que hasta ese momento estaban al margen de la sociedad se convirtieron protagonistas. Un par de hechos pueden ilustrar estas afirmaciones. En 1643, John Booker, un astrólogo parlamentarista, fue designado como regulador (licenser) oficial de los trabajos astrológicos. En 1648, William Lilly, también parlamentarista, recibió un regalo de 50 libras y una pensión de 100 libras anuales por dos años “por sus servicios al parlamento”. Sin embargo, esos hechos no deben ser entendidos como un aliento desinteressado por parte del nuevo gobierno hacia la astrología, sino más bien un reconocimiento de las ventajas que los escritores de almanaques afines al gobierno podían ofrecer dada su influencia en la época. Como contrapartida, George Wharton, opositor al nuevo gobierno fue arrestado en 1648/9 y vuelto a arrestar luego de haber escapado. Finalmente, se ordenó su ejecución por traición e irónicamente Lilly intervino para salvar su vida. El éxito de su intervención muestra la influencia política que poseía en la época.

Ahora veremos cómo esos compromisos políticos se plasmaron en los escritos de los astrólogos, en particular, en sus almanaques, por medio de valoraciones y recomendaciones éticas o religiosas, o por predicciones de las que, como veremos, se deducen intereses más cercanos a la manipulación de los lectores que a la desinteressada lectura de los astros. Los autores y textos a analizar sólo pretenden representar a modo de ejemplo estas afirmaciones y no desarrollar exhaustivamente todas las características de los almanaques de la época.

Veamos por ejemplo el almanaque de John Vaux para 1653. La primera página del apéndice muestra tres citas y un breve poema cuya autoría pertenece al próprio Vaux:

Arrepiéntanse, porque el reino de los cielos está cerca.

Mat., 3, 2.

Así dijo el Señor, permanezcan en los caminos y observen, y pregunten por los caminos antiguos, que son los caminos correctos, y caminen por ellos, y encontrarán descanso para su alma.

Jer., 6, 16.

La naturaleza de los hombres es ávida de novedades.

Plinio

La naturaleza de todos los hombres es tal
Que las novedades lo seducen demasiado
Y así como las cosas nuevas son las más solicitadas
Sin embargo no son siempre son las mejores

Como señala Ferreira: “Curiosamente, esos trechos citados no son explícitamente comentados en el almanaque”. Por lo tanto, creo que es válido suponer que la razón por la que están ahí no se refiere estrictamente a cuestiones astrológicas, ni tampoco a una desinteresada lectura de las Sagradas Escrituras. El interés sin embargo, parece ser claro: alentar a los lectores a “arrepentirse”, a volver a los “buenos caminos antiguos” y a despreciar lo “nuevo”. En ese contexto, lo nuevo vendría a ser el nuevo gobierno parlamentario; lo viejo y bueno, en cambio, la monarquía depuesta. En este mismo sentido, el almanaque sigue con cinco páginas dedicadas enteramente a discutir el inminente fin del mundo. Esta reflexión comienza y termina con la frase “Watch and Pray”. Lo curioso de esas páginas es que en esas reflexiones no se usa ni una sola premisa basada en la astrología, sino que solo se argumenta basándose en la Biblia. Así, predice “el fin del mundo por fuego”. Según sus cálculos, el fin del mundo debería haber sido en el año 1656, a sólo tres años de la fecha de publicación del almanaque1. La intención de Vaux parece ser clara: difundir el miedo entre sus lectores tratando de alentar en ellos el deseo de volver “a los viejos y buenos caminos”.

1 En Ferreira (2008), se dice que Vaux llegó a esa fecha al considerar que “desde Adán al diluvio habían pasado 1656 años, y desde ese episodio al fin del mundo, (…) un período equivalente debería pasar”. La primer parte es correcta (Vaux se fundamenta en Génesis 5), sin embargo, es obvio que del diluvio hasta el supuesto fin del mundo pasaron muchos más años. Los 1656 se deben contar desde el año 0. Pero probablemente el error se deba más a un descuido que a una mala interpretación.

Sin embargo, las predicciones del fin del mundo no son patrimonio exclusivo de los astrólogos realistas. John Booker, en su almanaque para 1643, llamado “The Bloody Almanack” predecía el fin del mundo para fines del siglo XVII: “Me parece que el día del Juicio deberá ser entre el año de Cristo 1688 y 1700”. Al igual que Vaux, llega a esa conclusión basándose en argumentos religiosos y no astrológicos. Sin embargo, sus cálculos arrojan otra fecha para el fin del mundo: 1786. Pero él, basándose en Mateo 24,22, dice “Pero yo no creo que el mundo continúe tanto tiempo”. En esta modificación a su argumento original, también basado en las Sagradas Escrituras, puede verse también una clara intención de mostrar que el fin del mundo está cerca. Pero no es tan claro ver qué gana con esto. La respuesta, creo, la puede dar el dibujo que aparece en la portada del almanaque. Allí aparee, además de una parte dedicada al fin del mundo, a la izquierda el dibujo de un Papa y la ciudad de Roma junto a un demonio, y a la derecha el dibujo de un Rey con algunos súbditos arrodillados frente a él, y la ciudad de Londres debajo. Creo que se puede interpretar que la intención es mostrar cómo la monarquía recién destituida (en 1643 los parlamentarios controlaban gran parte del país incluido Londres) marca una continuidad con el dominio papal. La progresión de izquierda a derecha papa-monarca inglés-fin del mundo, es una progresión temporal con la clara intención de mostrar que, por un lado la anticuada monarquía inglesa ocupa el lugar del Papa en Inglaterra, y por el otro, que luego de la caída de la monarquía sólo queda el fin del mundo. Es obvio que en esa progresión no hay lugar para una vuelta a la monarquía, y por eso el mensaje parece tener la intensión de desalentar a los que verían con buenos ojos esa vuelta. Debe decirse además, que el apelativo de papista o de pro-papista era uno de los descalificativos más frecuentes en los almanaques de los astrólogos de ambos bandos para desacreditar al otro (para la cuestión de la propaganda anticatólica en los almanaques. En este contexto, el mostrar la cercanía del fin del mundo podría funcionar del mismo modo que en Vaux: como un llamado a tomar los buenos caminos con vistas a la salvación. Sin embargo, a diferencia de Vaux, en este almanaque el buen camino significaba no apoyar la antigua monarquía, que Booker asociaba con el Papa y, por lo tanto, con algo demoníaco.

En los casos mostrados, la propaganda de o contra uno de los bandos en pugna se hace de un modo bastante indirecto. Pero esto no era necesariamente así. En el almanaque de William Lilly “Merlini Anglici” para 1657 se puede ver cómo se hacen valoraciones que señalan explícitamente los compromisos políticos del autor. En las predicciones para mayo de ese año comienza diciendo: “Muchos llorarán por la honesta common Law de Inglaterra, (…) los cielos defenderán la Ley de la Ruina”, Lilly (1657). Ahí se ve que hay una identificación del gobierno con la Ley y de los insurrectos (en ese tiempo los monárquicos) con la Ruina. Además, se califica como “honesto” al gobierno en ejercicio, lo cual refleja la adhesión política de Lilly. Además, un tema recurrente en el almanaque de ese año es la constante predicción de que los astros predicen la victoria del gobierno parlamentarista frente a cualquier dificultad. Eso se ve en la última cita, donde dice que “los cielos defenderán la Ley”. También se ve, por ejemplo, en las predicciones para junio de ese año:

Un Eclipse Solar invisible comienza el mes; los Cielos defenderán al Protector y al Gobierno de Inglaterra de acciones futuras visibles, secretamente complotadas contra éstos, y puede que Londres sea tan insensible a plagas, enfermedades, incendios e insurrecciones repentinas como es insensible a ver éste Eclipse en su Horizonte. Lilly (1657)

El “eclipse invisible” del que habla probablemente sea el eclipse anular del 11 de junio de 1657, y su apelativo de invisible debe referir a que sólo podría haber sido visto en Norteamérica y parte del noreste asiático. Pero lo interesante es ver cómo señala que pese a la posible aparición de complots contra el gobierno, Lilly predice de nuevo que los cielos protegerán al Protector (Cromwell) y al Gobierno (la Commonwealth).

Sin embargo, según lo dicho anteriormente, sólo en la etapa de la Guerra Civil los almanaques de los astrólogos reflejaban no sólo la convulsión social que había en esos tiempos, sino también las adhesiones políticas de los mismos astrólogos. Si esto es cierto, los almanaques posteriores a la vuelta de la monarquía deberían mostrar un ambiente más pacífico y una neutralidad mayor frente a los acontecimientos políticos reales del país. Y efectivamente esto es lo que sucede. Por ejemplo, en el almanaque de Lilly para 1680, en la misma sección donde su almanaque para 1657 mostraba las características que ya analizamos, se notan varias características nuevas. En primer lugar, prima un tono más sereno y optimista; casi no se nombran predicciones de revueltas o traiciones, y cuando lo hacen no toman el papel decisivo de antes. Por outro lado, deja de referirse y valorar al gobierno inglés y pasa a referirse a “nuestra nación inglesa”, lo que se puede interpretar más como un normal nacionalismo más que un apoyo incondicional a la conducción del país como sucedía antes. Y otra característica que resalta es que también se incluyen a los otros países de Europa en las predicciones mensuales, algo que antes sólo pasaba si eso influía en la realidad inglesa.

En este trabajo procuré mostrar uno de los aspectos más interesantes de la historia de la ciencia en la época de la Guerra Civil Inglesa. La importancia de los almanaques astrológicos reside en dos razones principalmente. La primera es la enorme influencia que ejercían en la moral de las personas. La otra razón es que esta época en especial transcurre en paralelo al proceso ya mencionado de pérdida de interés en la astrología por parte de los científicos en general. Por eso, en el estudio de este tema deberían encontrarse algunas de las causas que produjeron, o al menos aceleraron ese proceso.

Podemos sacar algunas conclusiones parciales de lo analizado. En primer lugar, los almanaques eran escritos que difundían las ideas y opiniones políticas y religiosas de sus autores. Creo que es válido suponer que ésta puede ser una de las causas por las que la disciplina cayó en descrédito en algunos círculos intelectuales cada vez más exigentes en sus criterios epistémicos. Por otro lado, también difundían varias ideas cosmológicas, como que los astros influyen en los sucesos humanos, o incluso cronologías sobre la creación, el desarrollo y el fin del mundo. Sin embargo, algunas de esas ideas eran algo anticuadas, en tanto que eran más propias del pensamiento renacentista que estaba siendo gradualmente transformado. De este modo, creo que también podemos concluir que la astrología de algún modo era un elemento que reproducía en la sociedad la antigua cosmología renacentista. Esto puede considerarse como otra de las razones por las que la astrología dejó de ser atractiva para los intelectuales más cercanos a un nuevo paradigma general. Así, creo que queda justificada la idea de que el estudio de la astrología es un tema importante en la historia de la ciencia.

§

Bibliografía
Booker, John (1643) “The Bloody Almanack”, London, 1643.
Ferreira, Juliana (2008) “Fim do mundo, propaganda pró-Restauração e anticatolicismo nos escritos astrológicos ingleses na década de 1650”, Epistemología e Historia de la Ciencia, Volumen 14 (2008).
Ferreira, Juliana (a) “Astrologia, propaganda e crítica social na Guerra Civil Inglesa”.
Hill, Christopher (1980) “Los orígenes intelectuales de la revolución inglesa”, ed. Crítica.
Lilly, William (1657) “Merlini Anglici Ephemeris”, Company of Stationers, London, 1657.
Lilly, William (1680) “Merlini Anglici Ephemeris”, Company of Stationers, London, 1680.
Nelson, Nicolas (1976) “Astrology, Hudibras and the Puritans”, Journal of the History of Ideas, Vol. 37, No. 3 (Jul. – Sep., 1976), pp. 521-536.
Rusche, Harry (1965) “Merlini Anglici: Astrology and Propaganda from 1644 to 1651”, The English Historical Review, Vol. 80, No. 315 (Apr., 1965), pp. 322-333.
Thorndike, Lynn (1955) “The True Place of Astrology in the History of Science”, Isis, Vol. 46, No. 3 (Sep., 1955), pp. 273-278.
Vaux, John (1653) “Diarium Sive Calendarium”, Company of Stationers, London 1653.
Wright, Peter (1975), “Astrology and Science in Seventeenth-Century England”, Social Studies of Science, Vol. 5, Issue 4, Nov. 1975, 399-422.
 RODRIGUES, Alfredo Ferreira. Almanak Litterario e Estatistico da Provincia do Rio Grande do Sul. Pelotas, RS: Typographia da Livraria Americana, 1889-1917. Anual.
 ALMANACH POPULAR BRAZILEIRO. Pelotas, RS: Livraria Universal, 1894-1908. Anual.

Ω