Astrologia e Astrólogos

William Lilly e o Eclipse de 1652

Previsão ou Propaganda?

Juliana Mesquita Hidalgo Ferreira*

* Universidade Federal do Rio Grande do Norte, Brasil.

γ

1 Introdução

No século XVII, era praticamente unânime entre a população em geral, e inclusive no meio intelectual, a aceitação da existência de influências astrológicas atuando sobre os seres humanos e a natureza. As opiniões se dividiam, no entanto, no que dizia respeito à possibilidade de estudar essas influências e prever fenômenos.

O filósofo Francis Bacon havia defendido a possibilidade de estudá-las e construir modelos de previsão para eventos relacionados a grandes massas populacionais como guerras, epidemias, clima e religião. Entre as pessoas cultas, esse tipo de astrologia era motivo de alguma controvérsia, mas tinha razoável aceitação, em contraposição à criticada (mas popular) astrologia judicial ou judiciária, que tratava de previsões relacionadas a indivíduos específicos e eventos particulares como casamento, morte e número de filhos. A população em geral aceitava e ansiava por previsões a respeito dos mais diversos assuntos.

Nas décadas de 1640 e 1650, no contexto da sangrenta Guerra Civil inglesa, a influência dos astrólogos ingleses era grande, como atestam fontes históricas. Os prognósticos costumavam ser recebidos com expectativa. A população desejava saber de antemão sobre o desfecho dos fatos que afetavam de modo drástico sua vida cotidiana. Soldados ansiavam por informações antecipadas sobre o que iriam enfrentar nas batalhas.

Tamanha popularidade serviu como instrumento de propaganda na Guerra Civil. Não é exagero dizer que astrólogos como William Lilly, John Booker e George Wharton eram formadores de opinião. Esses profissionais tiveram clara participação nos conflitos políticos, sociais e religiosos que caracterizaram aquele período. Em várias ocasiões, em seus trabalhos, deixaram de lado os prognósticos astrológicos e abertamente realizaram declarações que refletiam diretamente seus engajamentos nos embates, estivessem eles a favor do Parlamento, como era o caso de Lilly e Booker, ou do rei, como foi o caso de Wharton. Expressavam suas ideias, anseios e expectativas, e claramente incitavam determinadas atitudes entre a população.

Mesmo em termos dos seus prognósticos astrológicos, nota-se que, muitas vezes, os astrólogos pareciam apresentar previsões mais específicas do que a astrologia talvez pudesse propiciar. Ao que tudo indica, em vários casos, essas previsões deliberadamente visavam trazer motivação aos grupos com os quais simpatizavam ou incitar determinados comportamentos que lhes convinham.

Vale notar, no entanto, que se tomarmos determinado evento (como um eclipse ou a entrada anual do Sol em Áries) para o qual os profissionais costumavam apresentar suas análises, é bastante difícil apontar categoricamente quem, de fato, apresentava prognósticos injustificáveis. Quem estava agindo de maneira adequada do ponto de vista da astrologia da época? Quem, por outro lado, moldava as previsões de acordo com seus interesses pessoais?

Diferenciar uma previsão justificável, baseada nos conhecimentos então aceitos, de uma extrapolação do que era razoável, e concluir que determinado astrólogo estava indo além do que as regras astrológicas permitiam, não é uma tarefa simples. Tal dificuldade se relaciona a características peculiares à astrologia da época.

Grandes diferenças metodológicas entre os autores começavam já na realização dos cálculos e composição dos mapas astrológicos que constituíam o ponto de partida para as análises. No caso de fenômenos temporalmente não pontuais, como os eclipses, por exemplo, havia divergências em relação ao que considerar como o momento de ocorrência do fenômeno para fins de confecção do mapa. Diferenças como essa contribuíam para resultados distintos nas análises de um fenômeno por autores diferentes. Também se consultarmos interpretações de diferentes autores para um mesmo mapa astrológico, notaremos que essas podiam variar muito entre si. Não havia unanimidade em torno do que analisar na figura e como fazê-lo. Múltiplos critérios orientavam múltiplas possíveis interpretações para as configurações. Para opinar sobre uma questão, havia quem se concentrasse em determinados elementos da figura astrológica, enquanto outros atribuíam maior relevância a detalhes diferentes. Particularidades da figura recebiam determinada interpretação de um autor, enquanto outro profissional as interpretava de maneira distinta. As regras astrológicas variavam, mesmo em termos de especificidade. Novos métodos costumavam ser propostos, e, mesmo regras tradicionais, eram passíveis de múltiplas interpretações.

Em face dessas incongruências, torna-se difícil estabelecer que um profissional estava indo além do que a astrologia permitia. Não havia um modelo de interpretação aceito na época com o qual se possa conferir casos particulares.

Tendo em vista esses fatores, portanto, outros tipos de abordagem que não partem do pressuposto da existência de um padrão de uniformidade podem ser mais adequadas para avaliar os trabalhos astrológicos da época. Uma possibilidade à primeira vista razoável seria estabelecer algum tipo de confronto entre trabalhos de autores diferentes que partiam do mesmo mapa astrológico, compartilhavam regras e métodos de interpretá-las. Seria plausível, nesse caso, especular sobre possíveis extrapolações de certos critérios comuns. Outra alternativa seria analisar as previsões realizadas por um astrólogo dentro do contexto das regras e interpretações particulares adotadas por ele.

Deve-se destacar, no entanto, que embora teoricamente justificáveis, os dois caminhos apontados acima são geralmente inviáveis na prática devido à outra particularidade dos escritos astrológicos da época. As regras e suas interpretações não costumavam ser explicitamente apresentadas nessas publicações. O profissional mostrava seus prognósticos, mas não dizia como os havia obtido.

Tendo em vista essas limitações, pode-se dizer que em relação a William Lilly2 temos uma situação bastante particular, e especialmente favorável à discussão e comparação entre teoria e prática, no que diz respeito ao eclipse solar previsto para 1652.

2 Lilly foi um personagem central do período devido à sua influência tanto política quanto entre seus colegas de profissão. Teve sua vida pessoal e obras profundamente marcadas pelos eventos políticos, econômicos, sociais e religiosos daquela conturbada Inglaterra do século XVII. Foi um dos primeiros a propor a publicação de trabalhos astrológicos em inglês. Sua extensa obra, que cobre toda a segunda metade do século XVII, assim como a autobiografia deixada pelo astrólogo, ilustram bem o contexto da astrologia na época. Lilly produziu intensamente, tendo publicado trabalhos contendo previsões astrológicas e manuais que ensinavam a fazer previsões.

Na edição para aquele ano do seu almanaque3, intitulado Merlini Anglici Ephemeris, William Lilly publicou suas previsões para o fenômeno então esperado para março. Como fazia habitualmente, apresentou uma discussão detalhada sobre possíveis efeitos do eclipse, acompanhada do mapa astrológico para a ocorrência. Em algumas passagens, expôs as regras astrológicas empregadas. Apresentou os prognósticos, relacionando-os explicitamente a determinadas características do mapa, o que torna o seu discurso compreensível passo a passo. Pode-se identificar a quais elementos específicos da figura o profissional dirigiu sua atenção e de que modo os julgou.

3 Publicação anual, então bastante popular, que continha previsões meteorológicas dia-a-dia, calendários, comentários sobre eclipses e estações do ano, além de outras informações úteis como cronologias de eventos históricos, etc.

Figura 1: Folha de rosto do tratado de William Lilly sobre análise de eclipses.

Nesse caso, portanto, temos uma situação em que as regras astrológicas são explicitadas e, por isso, a análise da coerência dos resultados obtidos em sua aplicação se torna viável.

Deve-se levar em conta, no entanto, que Lilly poderia estar apresentando no almanaque regras selecionadas ou cujos enunciados haviam sido manipulados a fim de proporcionar previsões desejáveis e justificar resultados convenientes. Sendo assim, seria interessante dispor de algum material no qual o astrólogo simplesmente expusesse regras gerais para a análise de eclipses, sem que estas estivessem diretamente relacionadas a uma situação de aplicação. Um pequeno tratado publicado por William Lilly em 1652 nos fornece tal ferramenta. Naquele ano, Lilly publicou o An easie and familiar method whereby to judge the effects depending on eclipses (figura 1), no qual expôs seu método para julgar efeitos de eclipses.

Propomos aqui estudar esse manual tendo como foco alguns pontos principais. Partiremos do pressuposto de que o astrólogo não deveria estar, na prática, em desacordo com o que, em termos teóricos, na mesma época julgava ser razoável. Analisaremos com base nas regras sugeridas no tratado, as previsões de Lilly para o eclipse de 1652. Discutiremos se as regras efetivamente praticadas no almanaque coincidiam com as do manual. Verificaremos se o grau de especificidade das previsões que possivelmente derivariam das regras apresentadas no manual corresponde ao grau de especificidade das previsões obtidas pelo astrólogo para o eclipse. Compararemos assim esses trabalhos a fim de entender se, na prática, ele aplicou suas próprias regras e até que ponto4.

4 Lilly costumava propor métodos para analisar fenômenos celestes. No caso dos eclipses, comentou que não concordava com os métodos de outros autores por considerá-los confusos. Mais do que nunca, portanto, confirma-se a necessidade de usar as regras apresentadas pelo próprio astrólogo para avaliar a coerência de suas previsões.

Consideramos que o caso aqui abordado, portanto, possibilita algo raro: um estudo aprofundado e significativo do uso de prognósticos astrológicos como propaganda na Guerra Civil inglesa a partir de um exemplo particular.

γ

2 O Tratado Metodológico sobre Eclipses

Na obra An easie and familiar method whereby to judge the effects depending on eclipses, William Lilly apresentou de maneira metódica e detalhada as regras que utilizava na análise de eclipses5. Enumerou “quatro coisas consideráveis” a serem examinadas para esse tipo de fenômeno:

1. A que Região, Reino, Cidade ou Pessoas os efeitos do Eclipse irão se referir. 2. Deve-se pesquisar sobre o tempo, isto é, quando o efeito irá começar ou por quanto tempo os eventos de um Eclipse irão continuar. 3. Que eventos podem ser esperados em função do Eclipse. 4. A Qualidade, ou Tipos deles, se eles significam Guerra ou Escassez, &c. Se fartura ou privação, &c. Ou quem, ou que povo se sairá melhor se eles significam Guerra, &c.

5 Diferentemente da maior parte dos profissionais de sua área, Lilly não se dedicava apenas a fazer previsões astrológicas. Preocupava-se intensamente em ensinar as técnicas da astrologia.

Explicou como cada um daqueles itens podia ser respondido, indicando a quais elementos do mapa astrológico se referiam e de que modo deveriam ser analisados.

Em princípio, podemos notar que os procedimentos sugeridos por William Lilly nos remetem diretamente à obra Tetrabiblos, escrita por Ptolomeu no século II. De certo modo, Lilly seguia a tradição. Havia nítida semelhança entre o seu modelo teórico e o de Ptolomeu: pretendiam responder às mesmas “quatro coisas consideráveis” e o faziam através da análise das mesmas características particulares do mapa. Suas regras se equivaliam no sentido da qualidade dos prognósticos (favoráveis ou desfavoráveis) relacionados às configurações.

No seu tratado, William Lilly reconheceu a importância da herança ptolomaica, mas frisou também que, em função de sua experiência profissional, havia incorporado regras de caráter mais específico e particularizado outras já tradicionais. Lilly deixou transparecer sua intenção de ressaltar o caráter inovador de sua proposta, parecendo considerá-la uma contribuição significativa para o avanço na astrologia. Em conjunto com seu próprio método, publicou no tratado sobre eclipses, uma tradução sua para o método ptolomaico de análise daquele tipo de fenômeno, que particularmente correspondia a uma parte do Livro II do Tetrabiblos. Assim, era possível que o leitor facilmente comparasse as duas possibilidades de interpretação para as configurações astrológicas. Vejamos, por exemplo, trecho ptolomaico traduzido por William Lilly a respeito de eclipses dominados pelo signo de Marte, e, em seguida, a proposta do próprio Lilly para a mesma característica:

[…] entre os homens ele incentiva Guerras, motins internos, tomada de Cidades, destruição, tumultos, rebeliões e indignação de Príncipes em relação aos seus súditos, e por essa razão assassinatos inesperados.

[…] incentiva Guerras, motins e levantes internos, e tumultos, aprisionamentos, banimentos, sitiamento e tomada de cidades, tumultos populares, reprovação de Príncipes sobre muitos de seus Súditos, diversos homens importantes são repentinamente presos, condenados e decapitados; […], ele inclina Reis e Príncipes À tirania, violência e injuria e injustiça; o soldado a incendiar Casas, a assassinar homens, pilhagens, Furtos, Roubos em Estradas, Disputas Legais e Duelos.

Nota-se, assim, que os possíveis prognósticos resultantes da aplicação das regras de William Lilly seriam adequados ao contexto de sua época, referindo-se a eventos então comuns na situação de Guerra Civil. A título de exemplificação, citamos algumas dessas ocorrências então usuais, as quais, segundo Lilly, eram passíveis de previsão através de características dos mapas astrológicos para eclipses: soldados incendeiam casas, praticam atos desumanos, reagem enfurecidos contra comandantes, realizam motins; grandes controvérsias a respeito de impostos, leis e privilégios, mortes por decapitação, roubos em estradas, obstrução de estradas por ladrões, capturas, cidades sitiadas, pilhagens, saques, movimentos de grandes exércitos e tropas, cismas religiosos, alterações em cerimoniais, heresias, profanação de lugares sagrados, “superiores recebem comissões que oficiais inferiores nunca veem”, “muita ação sem efeito no manejo dos assuntos Civis da Commonwealth”, “muitas Petições turbulentas apresentadas pelas pessoas aos seus Superiores”, “Juízes honestos são empregados pelos Governos”, “vários homens importantes são repentinamente acusados, condenados e decapitados”, “taxações intoleráveis e tais como encargos oprimem a Commonwealth”.

Os exemplos citados acima demonstram que as regras adotadas por William Lilly para a análise de eclipses já por si só eram bastante específicas e permitiam, então, prognósticos também específicos e apropriados ao contexto da época. Nesse sentido, em princípio, Lilly poderia não estar cometendo extrapolações ao realizar prognósticos notadamente particulares no almanaque, caso eles fossem provenientes da aplicação de regras também específicas, as quais o astrólogo julgava mais avançadas e plenamente justificáveis.

Por outro lado, analisando as regras propostas por Lilly nesse trabalho metodológico, pode-se notar que ao menos algumas delas já por si só pareciam carregar consigo certos julgamentos de valor, e traziam certos conteúdos que iam além do âmbito dos conhecimentos astrológicos. Citemos alguns exemplos:

[…] todas as coisas e assuntos vão mal para a Nobreza, que de modo voluntário e imbecil se destrói em vão.

[…] algum grande homem da Igreja questionado, e chamado para prestar contas de sua Canalhice.

[…] reação contra Conselheiros, Advogados e Secretários, e tais tipos de homens, pela sua opressão, suborno e procedimentos dissimulados.

[…] mudanças grandiosas em todas as coisas. Contudo a mudança é melhor do que continuar como antes, e traz um relaxamento das antigas opressões.

Alheias ao âmbito dos conhecimentos astrológicos, as depreciações observadas nessas regras podiam sim ser transportadas para os prognósticos advindos de sua aplicação e representavam um tipo claro de propaganda.

γ

3 O Enfoque Político do Almanaque de 1652

Durante a década de 1640, William Lilly manifestou abertamente em seus escritos astrológicos seu engajamento a favor do Parlamento no conflito político. A morte do rei Charles I, em 1649, representaria o fim do regime monárquico na época. Com o início da Commonwealth, as publicações de Lilly refletiram apoio, mas, ao mesmo tempo, indicaram diretamente o descontentamento do astrólogo com determinadas atitudes.

Tal comportamento de William Lilly pode ser notado no seu Merlini Anglici Ephemeris para 1652.

Essa publicação mantinha o enfoque dos almanaques do astrólogo na década anterior: raras previsões meteorológicas e intenso destaque a questões políticas, muitas vezes, em declarações apresentadas separadamente das previsões astrológicas a respeito dessa temática.

O autor pareceu fazer questão de demonstrar apoio “À suprema Autoridade dessa Nação, o Parlamento da Common-wealth da Inglaterra”, a quem dedicou o almanaque.

Apresentou declarações que sugeriam a intenção de não se indispor com a instituição. Referiu-se àquele momento como um período de tranquilidade, em oposição a uma fase anterior problemática, e expressou abertamente sua convicção de que o país não retornaria ao regime monárquico. Por outro lado, demonstrou clara inquietação em relação ao que poderia ocorrer no futuro em decorrência de atitudes como a punição desigual dos antigos oponentes do governo6.

6 Alguns oponentes tiveram seus bens e propriedades confiscadas, ao passo que outros de grande influência política não (esse foi o caso do astrólogo George Wharton, por exemplo).

Havia, na época, a possibilidade de uma nova eleição de membros do Parlamento. Tais circunstâncias nitidamente fomentavam algumas preocupações por parte do astrólogo, que recomendou no almanaque: o Parlamento deveria ser escolhido adequadamente pela própria população7; uma vez eleito, deveria ser soberano e servir aos interesses do país. Assim, William Lilly expressou claramente suas convicções e expectativas e dirigiu-se à população incentivando claramente determinadas atitudes:

[…] toda a Nação está agora na expectativa de um Novo Parlamento; […]. […] suplique a Deus Todo-Poderoso para que ele permita que os seus Anjos ministros (não os Padres) guiem você, quando for eleger os novos Membros para o Parlamento […].

7 Lilly se referia àqueles que efetivamente podiam votar na época: pessoas do sexo masculino que fossem detentoras de determinada riqueza.

Vamos agora mandar para a Casa do Parlamento tantas Representações dos nossos Amáveis e gentis reconhecimentos pelos seus esforços e cuidados para conosco quantas Petições vãs e totalmente desnecessárias mandamos no passado. Tais agradecimentos nossos irão encorajar aqueles que a Providência irá eleger para suceder para que empenhem ao máximo suas habilidades para servir à Commonwealth.

Vamos acima de todas as coisas manter a Supremacia do Parlamento acima do Soldado ou do Eclesiástico. Os soldados pretorianos de Roma foram os primeiros que causaram distúrbio ao Senado.

Pode-se dizer, assim, que a tônica do discurso de Lilly no almanaque, em termos da política interna do país, centrava-se no apoio a um Parlamento soberano, que atendesse aos anseios do povo inglês. Já em relação às questões internacionais, Lilly demonstrou repúdio aos holandeses, a quem qualificou como ingratos e cruéis:

[…] são os nossos piores inimigos, iremos em tempo fazê-los sofrer. […] se seguimos esse caminho, então […] irão para alguma outra parte do mundo onde não são conhecidos, porque na Europa ninguém se importa com eles.

O astrólogo não apenas expressou sua convicção de que tais fatos ocorreriam, como também efetivamente procurou motivar as pessoas para que eles ocorressem. Assim, conclamou-as para que seguissem o exemplo de alguns “bons homens de Londres” que estavam formando um fundo de arrecadação para lutar contra os holandeses.

Vale à pena frisar que os pontos ressaltados acima constituem declarações apresentadas pelo astrólogo de modo desconectado de referências a configurações astrológicas. Antecedem as previsões astrológicas gerais para o ano de 1652 e as previsões decorrentes do eclipse. São, portanto, apreciações sem embasamento astrológico daquele personagem a respeito do seu contexto, manifestações de suas convicções e anseios, bem como claras incitações de determinadas atitudes que colaborariam para que suas expectativas fossem contempladas.

γ

4 As Previsões para o Eclipse de 1652 versus o Tratado sobre Eclipses

No almanaque de William Lilly para 1652, a análise do eclipse solar é detalhada, contempla várias características do mapa astrológico relacionado ao fenômeno e se estende a diversos tipos de efeitos. Tendo em vista o objetivo do presente trabalho, destacaremos exclusivamente prognósticos sobre questões políticas e religiosas, embora efeitos concernentes à meteorologia, saúde, agricultura e criação de animais tenham sido relacionados por Lilly ao referido eclipse.

γ

4.1 Principais situações notadas na comparação

De modo geral, há certa coerência entre o discurso metodológico de William Lilly e o modo como na prática ele analisou o eclipse de 1652. Quanto aos tipos de itens analisados, pode-se dizer os procedimentos de Lilly em relação ao referido eclipse coincidem com as suas recomendações no tratado sobre eclipses. Nota-se que a listagem de questões relevantes sugerida no tratado contempla exatamente as perguntas às quais, na prática, Lilly procurou responder ao analisar aquele caso específico. Além disso, as características particulares do mapa para o eclipse de 1652, analisadas para responder a essas questões, coincidem com as que Lilly sugere em suas considerações metodológicas. Também as regras aplicadas para interpretar especificamente essas características (que se relacionam às “quatro coisas consideráveis”) concordam com as recomendações, mesmo em termos de especificidade.

Já em alguns poucos casos que não se referiam àquelas questões, William Lilly parece ter extrapolado o que a aplicação de suas regras permitia, realizando prognósticos aparentemente injustificáveis em termos de especificidade, como mostraremos na seção 4.2.

Além disso, como discutiremos, geralmente mesmo os prognósticos justificados de Lilly (isto é, realizados adequadamente com base em suas regras) estavam entremeados com comentários a respeito de política e religião. Assim, particularmente nesses casos, o astrólogo não teria realizado propriamente uma distorção ou extrapolação das regras, mas efetivamente, comentou seus prognósticos, expressando seus anseios e expectativas.

Outras particularidades sugerem que Lilly teria em alguns poucos, embora significativos prognósticos relacionados ao eclipse de 1652, distorcido certas regras citadas no manual, a fim de apresentar no almanaque previsões mais adequadas aos seus interesses. Tais prognósticos, sobre os quais comentaremos na seção 4.3, seriam, portanto, injustificáveis.

Vale registrar, também, que as regras do manual que particularmente carregavam consigo juízos de valor (às quais nos referimos na seção anterior do presente trabalho), não eram aplicáveis particularmente às configurações notadas para o evento de 1652.

γ

4.2 Prognósticos injustificáveis, comentários e juízos de valor

Em alguns casos, a alusão a situações bastante específicas nos prognósticos de William Lilly para o eclipse de 1652 nos leva a cogitar a possibilidade de que as regras astrológicas utilizadas talvez não permitissem estabelecê-los com tal grau de especificidade.

Citemos um exemplo. Lilly expressou a convicção de que boas relações entre Inglaterra e Holanda eram impossíveis, devido às qualidades notadamente opostas dos seus ascendentes8. No entanto, parece ter extrapolado as previsões para essas relações ao analisar os efeitos do eclipse.

8 Do ponto de vista do século XVII, considerava-se que o momento de fundação de um país (algo como a colocação de uma pedra fundamental ou a unificação de uma nação, por exemplo), podia ser determinado e daria origem a um mapa astrológico, cujo ascendente representaria o país. Para Lilly, Inglaterra e Holanda se opunham por causa das características dos seus ascendentes: Áries – ascendente da: Inglaterra, signo da triplicidade do fogo, seco, masculino e guerreiro; Câncer – ascendente da Holanda, signo da triplicidade da água, úmido, feminino e fleumático.

No momento de ocorrência do fenômeno, Marte estaria posicionado em Áries, ascendente da Inglaterra, e Saturno, em Câncer, ascendente da Holanda. Como essa configuração se repetia no mapa astrológico para o ingresso do Sol em Áries, o eclipse indicaria, segundo Lilly, o rompimento absoluto com os holandeses e vitórias sobre eles. Diante disso, e devido à posição de Saturno em Câncer indicar inundações, lutas no mar e pirataria naquele ano, o astrólogo concluiu:

Esse eclipse de fato nos promete obter muitas conquistas de valor contra os holandeses, tanto no Levant Sea, nas costas da Turquia nos estreitos e também em nossas próprias costas, se eles não se submeterem à nossa presente Autoridade, & c., e muitas também nos nossos próprios portos.

Nota-se, portanto, que William Lilly não apenas concluiu a respeito da existência de um conflito marítimo entre as duas nações e previu a vitória inglesa, como também especificou locais para os embates e indicou até mesmo que atitude dos holandeses poderia reverter tal situação.

Não parece, no entanto, haver justificativa astrológica no almanaque que permitisse precisar o local de ocorrência dessas vitórias e, muito menos indicar o que os holandeses deveriam fazer para evitá-las. Assim, a análise isolada do trecho destacado acima, isto é, ainda sem confrontá-lo com o tratado metodológico, sugere a extrapolação, possivelmente deliberada, do que seria uma simples previsão astrológica. Essa conclusão é reforçada se levarmos em conta os comentários negativos do astrólogo a respeito dos holandeses repetidos ao longo do almanaque. A insinuação de que os holandeses deveriam se submeter aos ingleses, pois era inevitável a derrota em iminente conflito, ia bem além do simples prognósticos.

Em passagens relacionadas a outros assuntos, igualmente se repete o padrão de possível extrapolação dos prognósticos astrológicos. Ainda na análise da figura para o eclipse, posições desfavoráveis de Júpiter e Saturno, e a iminência de uma oposição entre esses planetas, no sentido astrológico, foram apresentadas como justificativas para certos prognósticos:

[…] ausência de paz entre nossos Homens que chamamos Ministros; porque tão perverso é Saturno, que significa Presbítero, e tão confiante de seu direito divino, ele de modo algum irá concordar com qualquer verdade ou correção na Doutrina ou Disciplina a menos que João Calvino se levante dos mortos. Quanto a Júpiter, que representa o Clérigo Ortodoxo e o espírito mais sensato e pacificador, ele está abatido por não ter apoio para nada e então ele deve esperar até que os anjos do céu lhe arrumem um Patrono iluminado e fortalecido, o que ocorrerá em breve, apesar de toda oposição; sem ênfase no original).

Como se pode notar, os prognósticos novamente, nesse caso, eram bastante particularizados. A partir das configurações, Lilly não apenas se referiu a religiosos de modo geral, mas também diferenciou grupos específicos.

Podemos dizer que, em princípio, a especificidade notada nos prognósticos relacionados ao eclipse sugere que William Lilly em alguns casos extrapolou as regras astrológicas adotadas, citadas no almanaque. Examinando o trabalho metodológico de Lilly a respeito de eclipses em busca de outras regras que pudessem ter sido aplicadas, mas não explicitamente citadas pelo autor no almanaque, ainda assim nada encontramos que explique ou justifique as previsões aqui citadas.

Deve-se destacar, também, que na previsão a respeito de presbíteros e clérigos, citada acima, o astrólogo pareceu ir além da tarefa de realizar previsões ao expressar juízos de valor a respeito dos comportamentos e atitudes de determinadas pessoas. A posição desfavorável aos presbiterianos, e em favor dos ortodoxos é clara. Lilly não apenas relatou o que poderia em sua opinião ocorrer, mas refletiu a respeito da possível ocorrência.

Ao longo do almanaque, por vezes, mesmo os comentários que se seguiam aos prognósticos justificados também carregavam consigo as apreciações de William Lilly sobre o contexto de sua época. Seguindo o tom de suas simples declarações, portanto, Lilly comentou suas previsões astrológicas para o eclipse solar de 1652 em função do seu ponto de vista.

Logo no início da análise realizada no almanaque, Lilly apresentou sua interpretação para o fato de o eclipse ser do tipo solar:

É a maior Luminária desse Mundo que está passiva, mesmo aquela que o próprio DEUS nomeou a Maior; são as Maiores Pessoas da Europa, quem o tempo e Tirania fizeram Reis & Monarquias, que estão designadas Pacientes pela a fúria de um povo enraivecido, vulgarmente chamado Common People. É sobre os Maiores de cada Nação e Reino, cada Província, País e Condado que os Efeitos e Influências desse Eclipse irão se manifestar.

A ênfase na identificação Sol-governantes, já então tradicional na astrologia, era notória no trecho transcrito anteriormente. Lilly, além disso, costumava em seus trabalhos, então bastante conhecidos, identificar a Lua com o povo. Desse modo, o trecho acima insinuava abertamente que em decorrência do eclipse solar, a Lua, isto é, o povo, encobria o Sol, ou seja, o governo ou governantes. E, quanto a essa ação, é interessante notar que o trecho citado não parece ter sido escrito no sentido de lamentá-la, mas sim de justificar a atitude popular. Tratava-se de um ato de fúria, uma atitude vingativa incitada possivelmente por comportamentos inadequados dos governantes.

Já o fato de a previsão se referir não apenas a Reinos, mas também a Nações, assim como a alusão ao povo como Common People, parecem configurar uma tentativa de insinuar a possibilidade de tal previsão se estendesse também à Inglaterra, já que essa naquele momento era uma Commonwealth, e não uma monarquia. De fato, a intenção do autor fica clara em trechos seguintes da mesma seção do almanaque:

Não podemos negar, mas a Inglaterra está tão, se não mais do que qualquer outra Nação da Europa, implicada nos efeitos desse Eclipse Solar: Deus de todo o Mundo, o que tu irás fazer conosco, os Ingleses? Se tu nos privar das nossas Luzes, dos nossos Notáveis, dos nossos Membros do Parlamento, dos nossos Nobres, da nossa Gente, dos que tem comandado, dos que tem Governado, dos que não tem Obedecido?

[…] em cada Commonwealth, um ou outro na Autoridade Suprema deverá vir abaixo e sofrer reprovação ou vergonha, de acordo com a medida do seu ou seus maus Comportamentos durante seus Governos ou período de confiança na Commonwealth.

Assim, era evidente a insinuação de que havia o risco de que o eclipse desencadeasse no povo uma reação vingativa em relação aos governantes da Inglaterra de modo geral. O motivo dessa fúria não era em si a influência astrológica do eclipse, mas sim possíveis atitudes incorretas desses governantes. O eclipse parecia apenas desencadear aquilo que vinha sendo fomentado por essas atitudes. Desse modo, ficava, então, o aviso de que o efeito negativo poderia ser evitado por um comportamento apropriado do governo.

Os trechos acima citados indicavam a possibilidade de que os efeitos do eclipse se estendessem à Inglaterra. Mas outras passagens do almanaque, se analisadas em conjunto, sinalizavam em particular o país como provavelmente um dos mais seriamente afetados.

William Lilly citou uma regra segundo a qual o “Eclipse do Sol é muito significativo quando todo o seu corpo é obscurecido; destrói e corta pelas Raízes aquelas Cidades que têm o signo do Eclipse como Ascendente na fundação”. De acordo com o astrólogo, como no caso do eclipse solar previsto apenas uma porção diminuta do Sol não seria encoberta, ele poderia ser considerado total. Em conjunto com essa passagem, um trecho que apontava o “signo eclipsado é Áries”, mostrava aos olhos do leitor do século XVII a evidente implicação da Inglaterra, visto este ser considerado seu ascendente.

Ainda em decorrência do fato de o eclipse solar ocorrer no signo de Áries, a morte de um rei era sinalizada, segundo regra explicitada por William Lilly. O almanaque explicava sua aplicação a nações com qualquer tipo de governo, incluindo “Commonwealths” e, em seguida, explicitamente se referia à Inglaterra:

Em Commonwealths tal Aforismo indica algum Homem mais eminente que os restantes, ou o mais importante defensor de uma causa, ou de ascendência mais nobre do que os outros, ou no mais alto Comando Civil ou Marcial do que qualquer outro, porque há gradações de honra em todas as Nações.

[…] devemos, em vez deles [Reis], aceitar como tais os que nos governam.

As previsões contidas nesses trechos eram categóricas e bastante significativas não apenas devido à alusão à Inglaterra, mas também porque o país era então governado por militares.

Ainda no caso daquele eclipse, outra regra aplicável dizia respeito ao fenômeno ser matutino. Nesse caso, segundo Lilly, as influências seriam intensificadas ou mesmo mortais para determinadas pessoas em cujas natividades a posição do Sol ou da Lua formasse algum aspecto astrológico (conjunção, oposição, etc.) com a posição de ocorrência do eclipse.

É interessante notar que, nessa passagem do almanaque, Lilly não faz uma referência explícita a alguém em particular. Estaria ele fazendo alusão a algum personagem facilmente identificado pelo leitor do século XVII? É difícil respondermos a essa pergunta. De qualquer forma, destacamos aqui essa regra e sua aplicação pelo astrólogo, devido à sua importância quando comparada ao tratado sobre eclipses.

Trataremos essa particularidade na próxima seção.

γ

4.3 Distorções das regras

Logo no início do seu manual, Lilly distinguiu eclipses lunares de solares e, em seguida, comentou, de modo categórico, sobre a diferença entre eclipses totais e parciais: “Então, quando os Dígitos Eclipsados são menos do que 12, não é um Eclipse total”. Se havia alguma flexibilidade quanto à aplicação dessa regra, ao menos no seu manual o astrólogo não a indicou. Muito pelo contrário, pareceu ser taxativo quanto à classificação dos eclipses.

Em contraposição, no almanaque, ao realizar sua análise para o eclipse solar de 1652, Lilly considerou: “Não podemos dizer que o Sol está totalmente obscurecido, mas tão pouco fica para ser Eclipsado [11 dígitos do Sol o eram], que ele pode no Julgamento passar como Eclipse total”.

Da possibilidade de flexibilização da regra enunciada no manual para a classificação do fenômeno, dependia a aplicação de enunciados válidos exclusivamente para eclipses totais, como, por exemplo: “O Eclipse do Sol é muito significativo quando todo o seu corpo é obscurecido; destrói e corta pelas Raízes aquelas Cidades que têm o signo do Eclipse como Ascendente na fundação”.

Como vimos, esse enunciado era fundamental para sustentar a conclusão de que a Inglaterra estava claramente em significativo perigo em função do fenômeno.

Além da aplicação desse enunciado específico, a classificação de um eclipse como total, segundo o manual, garantia a grandiosidade dos efeitos: “[…] sempre observando que quanto mais Dígitos Eclipsados, mais grandioso o Eclipse é […]”.

Assim, o fato de o almanaque considerar aquele eclipse de 1652 como total impingia uma conotação de grandiosidade ao evento, sinalizando a importância dos efeitos esperados e a grave ameaça aos governantes da Inglaterra, se suas ações não fossem adequadas. De fato, naquele caso específico, nota-se diversas vezes ao longo do discurso do astrólogo a insistência em frisar a imponência do evento, o qual foi descrito por ele como o maior eclipse de sua época.

Além de flexibilizar a aplicação da regra de classificação do eclipse, William Lilly, em sua análise, parece ter aplicado uma regra com a qual, no seu tratado metodológico, explicitamente afirmou não concordar.

Na análise apresentada no almanaque, Lilly recorreu a uma regra segundo a qual se o eclipse solar fosse matutino, as influências maléficas trazidas pelo evento astrológico seriam intensificadas. Em relação àquele evento comentou:

[…] o nosso é quase Matutino e então os Efeitos subsequentes serão grandes, e mortais para aqueles Homens sobre os quais o Eclipse tem influência, ou no local do Sol ou da Lua na Raiz de suas Natividades.

Como se pode notar, Lilly novamente flexibiliza uma regra de classificação do fenômeno astrológico. O eclipse “quase matutino” é analisado como “matutino”. Além disso, pode-se perceber que Lilly foi categórico ao afirmar no almanaque que aquele eclipse matutino era mortal para determinadas pessoas para quem a posição do eclipse correspondesse à posição dos “luminares” no seu mapa astrológico de nascimento ou para quem a posição desses corpos celestes nesses mapas fizesse algum aspecto astrológico (conjunção, oposição, etc.) com a posição de ocorrência do eclipse.

Entretanto, ao comentar no seu tratado metodológico sobre as implicações da classificação de um eclipse como matutino, não há qualquer referência a um possível caráter mortal. Nessa referida passagem do manual sobre eclipses, Lilly comenta apenas que ser matutino significaria que “os males indicados por ele são intensificados, e os efeitos operam mais vigorosamente”.

Já no mesmo manual, numa seção intitulada “Quem participa no Eclipse”, Lilly comentou sobre a importância dos eclipses para pessoas cujas natividades tinham justamente as características que, segundo o almanaque, implicariam em morte. Ao fazê-lo, no entanto, o astrólogo parece nitidamente se contradizer.

Em geral, têm-se como uma Máxima assegurada que em relação às Natividades de homens e mulheres, todos os Eclipses do Sol ou da Lua que coincidem exatamente com o mesmo grau do Signo onde um ou ambos estavam no momento do nascimento de alguém, irão de uma maneira ou outra ser muito fatal ou significar algo muito importante para a pessoa. Percebi pela experiência que muita aflição e problemas de fato acompanham aquelas pessoas, que casualmente no curso de suas vidas têm um Eclipse nos Signos ou graus onde Luminares estavam no momento do nascimento ou no grau oposto àquele onde estavam, mas ainda não percebi que a morte de fato se segue […].

Assim, a previsão astrológica apresentada de modo bastante contundente por Lilly no almanaque, foi obtida a partir de uma regra que contradizia as declarações do próprio astrólogo no seu tratado metodológico sobre eclipses.

γ

5 Considerações Finais

Como pudemos notar, as previsões apresentadas por Lilly para o eclipse de 1652 no seu almanaque eram bastante específicas. Em princípio, portanto, a análise isolada dessa seção do almanaque poderia sugerir que ele extrapolava as regras astrológicas que adotava, tendo em vista, por exemplo, manipular seus prognósticos. Por outro lado, se compararmos o almanaque ao tratado sobre eclipses, nota-se que praticamente todos esses prognósticos específicos foram obtidos de maneira coerente a partir de regras também bastante específicas.

Quanto à formulação dessas regras, Lilly parecia estar propondo um avanço na astrologia, tornando as antigas regras de Ptolomeu mais específicas e particulares, transformando-as à luz de sua própria experiência profissional, de modo a torná-las mais apropriadas ao contexto da época. De acordo com esse ponto de vista, portanto, havia uma justificativa para a especificidade das regras, e, por conseguinte, dos prognósticos. Embora nesse sentido Lilly não tivesse cometido extrapolações ao realizar a maior parte daqueles prognósticos, existem alguns casos em que realmente o critério especificidade das previsões parece ter sido violado.

Mesmo os prognósticos do almanaque que foram obtidos a partir de regras que em sua maioria concordavam com as considerações metodológicas expressas no tratado sobre eclipses, estavam entremeados por apreciações do autor a respeito da situação que o cercava, bem como por referências às suas expectativas e anseios e indicações claras de atitudes que deveriam ser tomadas pela população e pelo governo. Essas declarações alheias ao âmbito dos conhecimentos astrológicos permeiam todo o almanaque, ora misturadas às previsões, ora apresentadas isoladamente.

Além disso, dois casos específicos de discordância entre a análise apresentada no almanaque e o manual sobre eclipses podem ser facilmente notados e chamam a atenção pelo fato de que as previsões injustificadas apresentadas pelo autor se ajustam perfeitamente ao tom que ele parece ter desejado dar ao eclipse: grandioso e perigosamente mortal para governantes.

Agradecimento

A autora agradece à Fundação de Amparo à Pesquisa do Estado de São Paulo (FAPESP) pelo apoio a esta pesquisa.

δ

Referências Bibliográficas
ALLEN, D. C. The star-crossed Renaissance: the quarrel about astrology and its influence in England [1944]. New York: Octagon Books, 1973.
BACON, Francis. Of the dignity and advancement of learning [1605]. Livro 3, in: SPEDDING, James (ed.). The works of Francis Bacon. Boston: Taggard and Thompson, 1976.
CAPP, Bernard. Astrology and the Popular Press: English Almanacs 1500-1800. London: Faber, 1979.
CURRY, Patrick. Prophecy and power: astrology in Early Modern England. Cambridge: Polity, 1989.
FERREIRA, Juliana M. H. As influências celestes e a Revolução Científica: a astrologia em debate na Inglaterra do século XVII. São Paulo, 2005. Tese (Doutoramento em Filosofia). Pontifícia Universidade Católica de São Paulo.
–––––. Propaganda e crítica social nas cronologias dos almanaques astrológicos durante a Guerra Civil inglesa no século XVII. Revista Brasileira de História, 27: 197-218, 2008.
GENEVA, Ann. England’s Propheticall Merline decoded: a study of the symbolic art of astrology in seventeenth century England. New York, 1988. Thesis (PhD. in History). State University of New York.
HILL, Christopher. The century of revolution, 1603-1714 [1961]. London: Abacus, 1974.
LILLY, William. Englands propheticall Merline, foretelling to all nations of Europe untill 1663…London: John Raworth, 1644.
–––––. An easie and familiar method whereby to iudge the effects depending on eclipses, either of the Sun or Moon. London: Company of Stationers, 1652.
–––––. Merlini Anglici ephemeris, or astrological predictions for the year, 1652. London: Company of Stationers, 1651.
PARKER, Derek. Familiar to all: William Lilly and astrology in the seventeeth century. London: Jonathan Cape, 1975.
PTOLEMY. Tetrabiblos. Editado e traduzido por F. E. Robbins. London: Fletcher & Son, 1980.
RUSCHE, Harry. Merlini Anglici: Astrology and propaganda from 1644 to 1651. The English Historical Review 80: 322-33, 1965.
RUSCHE, Harry. Prophecies and propaganda. The English Historical Review 84: 752-70, 1969.
THOMAS, Keith. Religion and the decline of magic. Harmondsworth: Penguin, 1973.

Ω