Traduções

As Características dos Planetas por Al-Biruni

Al-Biruni

Traduzido e Editado por Magus Occultus – 2006

δ

Natureza dos Planetas e as suas Indicações

As características gerais dos planetas e as suas indicações de acordo com as qualidades elementares; benéficos ou maléficos; sexo; se diurnos ou noturnos; cheiro e sabor; cor.

Saturno é extremamente frio e seco. O grande maléfico. Masculino. Diurno. Desagradável e adstringente, ofensivamente ácido, fétido. Da cor do azeviche, negro misturado com amarelo, cor de chumbo, escuro como breu.

Júpiter é moderadamente quente e úmido. O grande benéfico. Masculino. Diurno. Doce, agridoce, delicioso. Cor de pó e branco misturado com amarelo e castanho, brilhante, cintilante.

Marte é extremamente quente e seco. O menor maléfico. Masculino (alguns dizem feminino). Noturno. Amargo. Vermelho escuro.

O Sol é quente e seco, o calor predomina. Maléfico quando está próximo, benéfico à distância. Masculino. Diurno. Penetrante. Pungente, amarelo avermelhado brilhante, a sua cor é dito para ser a do senhor da hora.

Vênus é moderadamente fria e úmida. Benéfica. Feminina. Noturna. Sabor doce. Branco, tendendo para a cor de palha, brilhante, e de acordo com alguns esverdeada.

Mercúrio é moderadamente frio e seco, o último predominante. Benéfico. Masculino e diurno por natureza, mas recebe as características dos outros que lhe estão próximos. Complexo sabor e cor, a última azul celeste misturada com uma mais escura.

A Lua é fria e úmida, às vezes moderada, variável. Benéfica e maléfica. Feminina. Noturna. Salgada ou insípida, um pouco amarga. Azul e branco, ou alguma cor profunda, não deixando de ter a mistura de um avermelhado amarelo, resplandecência moderada.

α

Continuação das Indicações

Indicações de acordo com as propriedades das coisas, a sua forma, os dias e as noites da semana, climas, a natureza dos solos.

Saturno: As coisas mais frias, mais duras, mais fétidas e mais poderosas. Pequenez, secura, dureza, peso. Sábado (e Quarta-Feira à noite). Primeiro clima. Montanhas áridas.

Júpiter: As coisas mais moderadas, completas, agradáveis, melhores e mais fáceis. Moderação, solidez, suavidade. Quinta-Feira (e Segunda-Feira à noite). Segundo clima. Solos fáceis de trabalhar.

Marte: Coisas quentes, duras, afiadas e vermelhas. Comprimento, secura e aspereza. Terça-Feira (e Sábado à noite). Terceiro clima. Terrenos gastos, duros e empedernidos.

Sol: As coisas mais hábeis, nobres, famosas e generosas. Revolução, minas, esgotamento, lugares vazios e livres. Domingo (e Quinta-Feira à noite). Quarto clima. Montanhas ricas em minerais.

Vênus: As coisas mais pungentes, mais agradáveis e deliciosas, mais belas, suaves e maduras. Forma quadrada, dispersão, brandura. Sexta-Feira (e Terça-Feira à noite). Quinto clima. Solos com água abundante.

Mercúrio: Mistura de coisas moderadas. Composto de duas coisas desta natureza. Quarta-Feira (e Domingo à noite). Sexto clima. Solo arenoso.

Lua: Os objetos mais espessos, densos, úmidos e leves. Densidade, umidade, opacidade, leveza. Segunda-Feira (e Sexta-Feira à noite). Sétimo clima. Planícies e terrenos planos.

α

Edifícios e Países

Indicações de acordo com, os lugares e edifícios; países.

Saturno: Canais e catacumbas subterrâneas, poços, edifícios antigos, estradas desoladas, covis de animais selvagens, desertos cheios deles, estábulos para cavalos, burros e camelos, e casas para elefantes. Índia, Zanzibar, Abissínia, Egito, Etiópia, entre o Ocidente e o Sul, Yémen, Arábia e Nabateia.

Júpiter: Palácios reais, mansões da nobreza, mesquitas, púlpitos, igrejas Cristãs e sinagogas, ciência, livros, vasilhas comuns, casas de professores, vilarejos dos que trabalham com chumbo. Babilônia, Fars, Khurasan, o país dos Teviks e dos Berberes em África até ao Ocidente.

Marte: (Templos de fogo), lareiras e lenha, fogos de beira de estrada e as vasilhas necessárias à arte do oleiro. Síria, Grécia, Slavónia, países do Noroeste.

Sol: Palácios dos reis e sultões. Hijjaz, Jerusalém, Monte Líbano, Armênia, Alan, Dailam, Khurasan até à China.

Vênus: Casas majestosas, vasilhas (caminhos) que contêm muita água, lugares de culto. Babilônia, Arábia, Hijaz e a sua vizinhança, (ilhas e plantações de açúcar), e cidades da Mesopotâmia e o meio do pântano.

Mercúrio: Bazares e divãs, mesquitas e casas de pintores e lavanderias, e aquelas que estão perto de pomares, canais de irrigação e fontes. Meca, Medina, Iraque, Dilam, Gilan, Tabaristan.

Lua: Lugares úmidos, fabricação de tijolos em lugares subterrâneos ou subaquáticos, lugares para arrefecer a água, cursos de água e caminhos com árvores. Mosul, Azerbaijão, as ruas estreitas do povo comum em qualquer lugar.

α

Relações com os Minérios, Metais e Jóias, Sementes e Frutos

Indicações de acordo com as minas; metais e pedras preciosas; sementes e frutos.

Saturno: Óxido de chumbo, escória de ferro, pedras duras. Chumbo. Pimenta, belérico, mirobálano, azeitonas, nêsperas, romãs amargas, lentilhas, semente de linho, semente de cânhamo.

Júpiter: Marcasite, tutty (substância obtida do zinco), enxofre, arsênico vermelho, todas as pedras brancas e amarelas, pedras encontradas na vesícula do boi. Estanho, chumbo branco, latão fino, diamante, todas as joias usadas pelo homem. Romã selvagem, maçã, trigo, cevada, arroz, durra, grão-de-bico, sésamo.

Marte: Ferro magnético, shadna (pedras em forma de lentilha), cinábrio, carmim e mosaicos (fasifusa). Ferro e cobre. Amêndoas amargas, sementes da árvore da terebintina.

Sol: Zircônio vermelho, lápis-lazúli, enxofre amarelo, sulfureto de arsênico, vidro faraônico, mármore, rosalgar, alcatrão. Ouro e tudo o que é cunhado a partir dele para os reis. Laranja e milho.

Vênus: Magnésio e antimônio. Prata e ouro e joias colocadas nestes, vasilhas usadas em casa, feitas de ouro, prata e latão, pérolas, esmeraldas, conchas. Figos, uvas, tâmaras, orégão e funcho.

Mercúrio: Depilatório, arsênico, âmbar, todas as pedras amarelas e verdes. Todas as moedas cunhadas com nome e número, tais como os dinares, e as moedas de cobre, ouro velho e mercúrio, turquesa, coral, árvore de coral. Ervilhas, feijões, cominho, coentro.

Lua: Vidro dos nabateus, pedras brancas, esmeraldas, pedra da lua. Prata e coisas feitas de prata, tais como taças, pulseiras, anéis e coisas semelhantes, pérolas, cristal, contas amarradas. Trigo, cevada, pepinos grandes e pequenos, melões.

AlBiruniMeton_ok

α

Relações com as Árvores e as Colheitas

 Indicações de acordo com as árvores; pasto e colheitas.

Saturno: Árvore de carvalho, árvore da cidra ou do mirobálano, a oliveira e também o salgueiro, árvore da terebintina, planta do óleo de rícino e todas aquelas que produzem frutos com gosto ou cheiro desagradável, ou de casca dura tais como as nozes e as amêndoas. Sésamo.

Júpiter: Árvores que dão frutos doces sem pele dura, tais como o pêssego, o figo, o alperce, a pêra e a “fruta de lótus”, companheiro de Vênus no que diz respeito aos frutos. Rosas, flores, ervas de cheiro doce ou altas, aquelas plantas que são leves e cujas sementes voam com o vento.

Marte: Todas as árvores amargas, pungentes e espinhosas, os seus frutos com pele áspera, pungente ou muito amargo, tais como, a romã amarga, a pêra selvagem, o espinheiro. Mostarda, alho-porro, cebola, alho, arruda, rinchão, arruda selvagem, rabanete, berinjela.

Sol: Todas as árvores altas que têm frutos oleosos e aquelas cujos frutos são usados secos, tais como as tamareiras, amoreiras e vinhas. Cuscuta, cana do açúcar, maná, “tarangubin (de angubin – Mel) e shir-khisht”.

Vênus: Todas as árvores suaves ao toque, de cheiro doce, suaves para a vista, como os ciprestes, a macieira e o marmeleiro. Bagas doces e oleosas, ervas perfumadas e coloridas, flores de Primavera e tem uma participação no algodão.

Mercúrio: Arvores pungentes e de mau cheiro. Ervas aromáticas e objetos de jardim, canas e coisas crescendo na água.

Lua: Todas as árvores cujo caule é curto, tais como a vinha e a romã doce: Relva, juncos, canas, linho, cânhamo, plantas rasteiras tais como o pepino e o melão.

α

Relações com os Alimentos e as Drogas, Necessidades do Lar, Estados do Ser, Poderes

Indicações de acordo com os alimentos e drogas; utensílios domésticos; estados do ser; poderes.

Saturno: Drogas frias e secas no quarto grau, especialmente aquelas que são narcóticas e venenosas. Residências. Sono. Poder retentivo.

Júpiter: Aqueles que são moderadamente quentes e úmidos, e que são proveitosos e agradáveis. Frutos. Roupas. Faculdades vitais, crescentes e nutritivas e o ar no coração.

Marte: Tudo o que não é venenoso, mas pungente e quente no quarto grau. Drogas. Negócio. Paixão.

Sol: Tudo o que é quente para além do quarto grau, e que é salutar e de uso geral. Alimentos. Comer e beber. Vigor juvenil.

Vênus: Alimentos moderadamente frios e úmidos, úteis e agradáveis ao paladar. Ervas aromáticas. Coito. Sensualidade.

Mercúrio: Alimentos que são mais secos do que frios e que são agradáveis, mas raramente úteis. Grãos. Falante. A faculdade da reflexão.

Lua: Alimentos que são igualmente frios e úmidos, por vezes úteis, por vezes prejudiciais, e não são de uso constante. Bebidas. Água potável. Poder natural.

α

Indicações Quanto aos  Quadrúpede, etc.

Indicações de acordo com quadrúpedes.

Saturno: Animais negros e aqueles que vivem em buracos no chão; bois, cabras, cavalos, ovelhas; arminho, zibelina, doninha, gato, rato, além disso, grandes cobras negras, escorpiões e outros insetos venenosos, pulgas e escaravelhos.

Júpiter: O Homem, animais domésticos e aqueles com cascos rachados, tais como as ovelhas, bois, corças, aqueles que têm pintas e lindas cores, e comestíveis, ou falantes, ou treinados, tais como leões, chitas e leopardos.

Marte: Leão, leopardo, lobo, javali, cão, animais selvagens destrutivos ou furiosos, serpentes venenosas.

Sol: Ovelhas, cabras de montanha, veados, cavalos árabes, leões, crocodilos, animais noturnos que ficam escondidos durante o dia.

Vênus: Todos aqueles animais selvagens que têm cascos brancos ou amarelos, tais como gazelas, burro selvagem, cabra de montanha assim como grandes peixes.

Mercúrio: Burro, camelo, cão doméstico, raposa, lebre, chacal, arminho, criaturas noturnas, pequenos animais aquáticos e terrestres.

Lua: Camelo, boi, ovelha, elefante, girafa, todos os animais de carga obedientes ao homem e domesticados.

α

Indicações Quanto aos Pássaros, Elementos e Humores, Órgãos do  Corpo, Órgãos Vitais

Indicações de acordo com pássaros e outros voadores, os elementos e os humores, órgãos de natureza similar, órgãos vitais.

Saturno: Pássaros aquáticos e noturnos, corvos, andorinhas e moscas. Terra, bílis negra e ocasionalmente fleuma crua. Cabelo, unhas, pele, penas, lã, ossos, medula e chifre. Baço.

Júpiter: Pássaros com bicos direitos, que comem grãos, não são negros, pombo, francolim, pavão, aves domésticas, poupa e cotovia. Ar e sangue. Artérias, esperma e medula óssea. Coração em parceria com o Sol.

Marte: Pássaros carnívoros com bicos curvos, noturnos, galinhas de água, morcegos, todos os pássaros encarnados, vespas. A parte superior do fogo e bílis amarela. Veias e as regiões posteriores. Fígado juntamente com Vênus.

Sol: Águia, pombo torcaz, rola, galo e falcão. A parte inferior do fogo. Miolos, nervos e a hipocondria, gordura e tudo o que é desse tipo. Estômago.

Vênus: Pombo torcaz, pombo bravo, pardal, bulbul, rouxinol, gafanhotos e pássaros não comestíveis. Carne, gordura e a espinal-medula. Rins.

Mercúrio: Pombo, grilos, falcões, pássaros aquáticos e rouxinóis. Bílis negra. Artérias. Vesícula biliar.

Lua: Patos, grous, corvos carnívoros, garças, pintos, perdiz. Fleuma. Pele e tudo o que está relacionado com ela. Pulmões.

α

Indicações Quanto às Partes da Cabeça, Sentidos, Membros do Corpo, Tempo de Vida

Indicações de acordo com as partes da cabeça; órgãos dos sentidos; órgãos aos pares e outros; período da vida.

Saturno: Ouvido direito. Audição. Nádegas, ânus, intestino, pênis, costas, altura, joelhos. Velhice.

Júpiter: Ouvido esquerdo. Audição e tato. Coxas e intestinos, útero e garganta. Meia-idade.

Marte: Narina direita. Olfato e tato. Pernas, púbis, vesícula biliar, rins. Juventude.

Sol: Olho direito. Visão. Cabeça e peito, costados, dentes, boca. Idade adulta.

Vênus: Narina esquerda. Olfato e órgãos da inalação. Útero, genitais, mãos e dedos. Juventude e adolescência.

Mercúrio: Língua, juntamente com Vênus. Gosto. Órgãos da fala. Infância.

Lua: Olho esquerdo. Visão e gosto. Pescoço, seios, pulmões, estômago, baço. Da infância para a velhice, conforme os seus vários quadrantes.

Planets by Al-Biruni_ok

α

Relações e Ligações. Figura e Rosto

 Indicações de acordo com as relações e ligações, figura e rosto.

Saturno: Pais, avôs, irmãos mais velhos e escravos. Feio, alto, seco, rosto azedo, cabeça grande, sobrancelhas unidas, olhos pequenos, boca larga, lábios grossos, olhar abatido, muito cabelo negro, pescoço curto, mão áspera, dedos curtos, figura desajeitada, pernas tortas, pés grandes.

Júpiter: Filhos e netos. Bela figura, rosto redondo, nariz grosso e proeminente, olhos grandes, olhar franco, pequena barba, abundante cabelo encaracolado e avermelhado.

Marte: Irmãos de meia-idade. Alto, cabeça grande, olhos e orelhas pequenas, e bela testa, olhos cinzentos penetrantes, bom nariz, lábios finos, cabelo liso, avermelhado, dedos longos, passos longos.

Sol: Pais e irmãos, escravos. Cabeça grande, compleição branca tendendo para o amarelado, cabelo longo, o branco do olho amarelado, gaguez, grande barriga com pregas.

Vênus: Esposas, mães, irmãs, parentes uterinos, criança delicada. Belo rosto redondo, compleição branca avermelhada, queixo duplo, bochechas cheias, não muito gordas, belos olhos, a parte negra maior do que a branca; dentes pequenos, belo pescoço, altura mediana, dedos curtos, parte inferior das pernas grossas.

Mercúrio: Irmãos mais novos. Bela figura, compleição castanha com uma tonalidade esverdeada, formosa, testa estreita, orelhas grossas, bom nariz, sobrancelhas unidas, boca grande, dentes pequenos, barba fina, belo cabelo longo, pés longos e bem feitos.

Lua: Mães, tias maternas, irmãs mais velhas, amas. Compleição clara e branca, modo de andar e figura direita, rosto redondo, barba longa, sobrancelhas unidas, dentes separados e tortos nas pontas, bom cabelo com cachos.

α

Disposição e Modos

Indicações de acordo com a disposição e os modos.

Saturno: Medroso, tímido, ansioso, desconfiado, avarento, um malévolo conspirador, taciturno e orgulhoso, melancólico, dizendo a verdade, grave, digno de confiança, recusando acreditar na bondade de alguém, absorto nos seus próprios assuntos e consequentemente indica discórdia, e também ignorância ou inteligência, mas a ignorância é ocultada.

Júpiter: Boa disposição, inspirador, inteligente, paciente, altruísta, devoto, casto, administrando a justiça, dizendo a verdade, erudito, generoso, nobre, cauteloso na amizade, egoísta, amigo de um bom governo, ávido de educação, um guardião responsável e digno de confiança e respeito, religioso.

Marte: Opiniões confusas, ignorante, imprudente, má conduta, desenfreado, ousado, conflituoso, instável, indigno de confiança, violento, desavergonhado, impudico, mas arrependendo-se rapidamente, um aldrabão, alegre, Brilhante, amistoso e de cara agradável.

Sol: Inteligente e conhecedor, paciente, casto, mas sensual, ávido de conhecimento, poder e vitória, procurando um bom-nome para ajudar os outros, amistoso, colérico, mas rapidamente recuperando o sossego.

Vênus: Boa disposição, rosto formoso, com bom temperamento inclinado para o amor e sensualidade, amigável, generosidade, ternura para com as crianças e amigos, orgulho, alegria, paciência.

Mercúrio: Viva inteligência e compreensão; afabilidade, gentileza, rosto aberto, elegância, capacidade de ver longe, mutável, profundamente interessado nos negócios, ávido de prazer, mantém segredos, procurando a amizade de pessoas, desejoso de poder, reputação e aprovação, preserva os verdadeiros amigos e afasta-se dos maus, mantém-se longe das trapaças, conflito, malevolência, perverso de coração e discórdia.

Lua: Simples, (puro de coração), adaptável, um rei entre reis, um servo entre servos, bom coração, esquecido, loquaz, tímido, revela segredos (duplicados), um amante da elegância (e do divertimento), respeitado pelas pessoas, alegre, um amante das mulheres, muito ansioso (em respeito a elas), intelectualmente não é forte, muito pensamento e conversa.

α

Atividades, Instintos e Moralidade

 Indicações de acordo com as condições de vida e atividades.

Saturno: Exílio e pobreza, ou riqueza adquirida através da sua própria trapaça ou da dos outros, fracasso nos negócios, veemência, confusão, procurando a solidão, escravizando as pessoas através da violência ou da traição, fraude, pranto e gemidos e lamentações.

Júpiter: Simpatia, um pacificador, caridoso, devotado à religião e às boas obras, responsável, dedicado à esposa, jovial, eloquente, ávido de riqueza, em acréscimo à afabilidade, há alguma leviandade e imprudência.

Marte: Casamento, viagens, litígio, negócios indo à ruína, falso testemunho, lascivo, um mau companheiro, solitário, rancoroso e enganador.

Sol: Desejoso pelo poder e governo, desejando depois riqueza e gestão dos negócios mundanos, e forçando a sua vontade sobre os ignorantes, reprovando os malfeitores, duro com os opositores. Se o Sol estiver em exaltação, a posição é favorável para os reis, se estiver em queda para aqueles em rebelião.

Vênus: Preguiçoso, jovial, jocoso, dançarino, apreciador de vinho, xadrez, do jogo das damas, da batota, tem prazer em qualquer coisa, não é conflituoso, um sodomita ou dado a excessiva atividade sexual, bem falante, apreciador de ornamentos, perfumes, música, ouro, prata, finas roupas.

Mercúrio: Professor de boas maneiras, teologia, revelação e lógica, eloquente, bela voz, boa memória para histórias, arruinando sucessos devido a excesso de ansiedade e azares, medroso de inimigos, frívolo, ávido de comprar escravos e moças, intrometido, calunioso, ladrão, mentiroso e falsificador.

Lua: Mentiroso, caluniador, excessivamente ansioso por riqueza e conforto, generoso na distribuição de comida, excessivamente amoroso com a mulher (pouca felicidade conjugal, demasiados casamentos), leviandade nos lugares apropriados, excelente estado de espírito.

α

Relações com Doenças e Classes

Indicações de acordo com as doenças, classes de pessoas.

Saturno: Doença, aflição, pobreza, morte, doença dos órgãos internos, gota. Donos de propriedades, intendentes dos reis, religiosos de várias seitas, devotos, pessoas mal intencionadas, maçadoras, trabalho em excesso (pessoas interessantes), eunucos, ladrões, os moribundos, magos, demônios, vampiros e aqueles que os injuriam.

Júpiter: Doença, fadiga, febre, morte no parto, cesariana, separar por corte. Reis, nobres, magnatas, advogados, mercadores, os ricos e os seus bajuladores. Marte: Febre. Líderes, cavalaria, tropas, adversários, disputadores em assembleia.

Sol: Reis, nobres, chefes, generais, oficiais, magistrado, médicos, sociedades.

Vênus: Nobres, plutocratas, rainhas, cortesãs, adúlteras e os seus filhos.

Mercúrio: Mercadores, banqueiros, conselheiros, cobradores de impostos, escravos e lutadores.

Lua: Doenças de muitos tipos. Reis, nobres, matronas abastadas, mulheres grávidas, famosas e abastadas, cidadãos.

α

Indicações Quanto às Religiões e Imagens dos Planetas

Indicações de acordo com as religiões e representações pictóricas dos planetas.

Saturno: Judeus e aqueles que se vestem de negro. Um velho sentado sobre um lobo, na sua mão direita a cabeça de um homem e na esquerda a mão de um homem; ou, de acordo com outra imagem, montado sobre um brilhante cavalo baio, na sua cabeça um capacete, na mão esquerda um escudo e na direita uma espada.

Júpiter: Cristãos e aqueles que se vestem de branco. Um jovem com uma espada desembainhada na mão direita e um arco e um rosário na esquerda, a cavalgar; outra imagem: um homem num trono, vestindo trajes de cores variadas, um rosário na mão esquerda.

Marte: Idólatras, bebedores de vinho vestidos de vermelho. Homem jovem sentado sobre dois leões, na mão direita uma espada desembainhada, na esquerda um machado de guerra; outra imagem: montado num cavalo baio, capacete na cabeça, na mão esquerda uma lança adornada com rosas vermelhas, bandeira de um grupo, na mão direita a cabeça de um homem, vestido de vermelho.

Sol: Usando uma coroa; Magos, Mitraístas. Um homem sentado sobre alguma coisa parecida com um escudo sobre rodas puxado por quatro bois, na sua direita uma bengala sobre a qual descansa, na sua esquerda uma clava, rosário; outra imagem: homem sentado, o rosto como um círculo, segurando as rédeas de quatro cavalos.

Vênus: Islã. Mulher sobre um camelo segurando um alaúde que está a tocar; outra imagem: mulher sentada, o cabelo solto, os cachos de cabelo na sua mão esquerda, na direita um espelho para o qual continua olhando, vestida de verde amarelado, com um colar, sinos, braceletes e pulseiras de tornozelos.

Mercúrio: Disputadores em todas as seitas. Jovem sentado sobre um pavão, na sua mão direita uma serpente e na esquerda uma tábua na qual ele continua a ler; outra imagem: homem sentado num trono, na sua mão um livro que está a ler, coroado, manto amarelo e verde.

Lua: Aderentes da religião prevalecente. Homem com uma lança na mão direita, na sua esquerda trinta, fazendo pensar haver trezentas, na sua cabeça um coroa, sentado numa carruagem puxado por quatro cavalos.

α

Indicações Quanto aos Ofícios, Profissões, etc.

Indicações de acordo com os ofícios, profissões, etc.

Saturno: Construção, pagador, agricultura, aproveitar terras e a distribuição de água, (transações fraudulentas), partilha de dinheiro e de heranças, coveiro; venda de coisas feitas de ferro, chumbo, osso, cabelo, cobre; escravos negros; conhecimento usado para fins maldosos, aqueles atos do governo que levam ao mal, à opressão, raiva, cativeiro, tortura.

Júpiter: Ações nobres, bom governo, religião, fazer o bem; interpretação dos sonhos; trabalho de ourives, banqueiros; venda de ouro velho e prata, roupas brancas, uvas e cana-de-açúcar.

Marte: Legislação, venda e fabrico de armaduras, arte dos ferreiros, moços de estábulos, pastores, açougueiros, cirurgiões veterinários, cirurgiões, vendedores de cães de caça, chitas, javalis, lobos, cobre, foices, cerveja, vidro, caixas, taças de madeira, roubos, conflitos, arrombamentos de casas, ladrões de estradas, ladrões de túmulos e prisão, tortura e execução.

Sol: Recebendo, dando e vendendo brocados de ouro.

Vênus: Obras de beleza e magnificência, apreciador de bazares, comércio, medindo pelo peso, comprimento e volume; negócios em pinturas e cores, trabalho de ourives, alfaiate, manufatura de perfumes, negócios em pérolas, ornamentos de ouro e prata, almíscar, roupas brancas e verdes, fabricante de coroas e diademas, acompanhando o canto, compondo canções, tocando o alaúde, festas, jogos e jogos de azar.

Mercúrio: Mercadores, calculadores e avaliadores, astrólogos, necromantes e adivinhos, geômetras, filósofos, controvérsia, poesia, eloquência, destreza manual e ansiedade pela perfeição em tudo, venda de escravos, peles, livros, moedas; profissão de barbeiro, manufatura de pentes.

Lua: Envolvido em questões de negócio, missões, agências, contabilidade; zeloso na religião e na lei divina, habilidade em todos ramos; prática da medicina, geometria, as altas ciências, medição de terras e água; cultivo e corte de abetos; venda de comida, anéis de prata e virgens, também indica cativeiro e prisão para os adivinhos fraudulentos.

Ω

Lunar_eclipse_al-Biruni

Al-Biruni (1029 d.C.)

Al-Biruni: Uma Biografia

Priscila Lúcia Tartare

Universidade Estadual do Centro-oeste

Karolina Barone Ribeiro da Silva

Universidade Estadual do Centro-Oeste

Resumo:

Este trabalho trata de resultados parciais de um projeto de iniciação científica que tem como objetivos específicos compor um perfil biográfico de al-Biruni e estudar algumas de suas contribuições para a Geometria e Trigonometria. Para cumprir o primeiro objetivo, recorreu-se à pesquisa bibliográfica. As fontes consultadas revelam informações a respeito das áreas de atuação de al-Biruni, suas obras e feitos. Muitas foram suas contribuições, especialmente em Matemática, Geografia e Astronomia.

1. Introdução

Um estudo histórico da Geometria e da Trigonometria inclui um olhar sobre matemáticos do mundo islâmico como Abul-Wefa, Nasir al-Din al Tusi e Abu l-Rayhan Muhammad ibn Ahmad al-Biruni.

Segundo Katz, inicialmente muitos destes matemáticos se envolveram no estudo de problemas de Geometria prática e mais tarde em aspectos teóricos da Matemática, como o postulado das paralelas de Euclides e o princípio de exaustão para a determinação do volume de sólidos.

Contudo, apesar da importância dos matemáticos do Islã, muitas vezes os livros de Geometria e Trigonometria  restringem-se apenas a mencionar contribuições de nomes não pertencentes ao mundo islâmico, como, por exemplo, Euclides de Alexandria, Tales de Mileto e Pitágoras de Samos.

O interesse específico por al-Biruni, se justifica principalmente pelo exposto por Lyons, que afirma ser al-Biruni o autor de um dos maiores tratados árabes de Geografia Matemática, A determinação das coordenadas de cidades (século XI).

2. Metodologia

Para compor um perfil biográfico de al-Biruni, adotou-se uma das modalidades de pesquisa mais comuns em história da matemática, a pesquisa bibliográfica. A pesquisa de cunho bibliográfico, por suas características, possibilita empreender um estudo de caráter correlacional, haja vista que […] explica um problema, fundamentando-se apenas nas contribuições secundárias, ou seja, nas informações e dados extraídos de livros de leitura corrente e de referências, de revistas impressas e virtuais, material audiovisual, entrevistas, documentos, etc. de diferentes autores que versam sobre o tema selecionado para o estudo.

A finalidade da pesquisa bibliográfica, segundo Padua, é “colocar o pesquisador em contato com o que já se produziu e registrou a respeito do seu tema de pesquisa”.

As seguintes fontes foram consultadas para traçar uma biografia de al-Biruni: livros de História da o site do Centro de Estudos e Divulgação do Islã, um artigo disponível em um site mantido pela University of St Andrews, The MacTutor History of Mathematics Archive e a excelente edição de junho de 1974 (1973 seria o milésimo aniversário de al-Biruni) do periódico da UNESCO El Correo, especial sobre al-Biruni, que traz nove artigos sobre ele, dos quais, até o momento, foi possível extrair informações de três, da autoria de Boboyan Gafurov, Mohamed Salim-Atchekzai e Jacques Boilot.

3. Resultados

Abu Arrayhan Muhammad ibn Ahmad al-Biruni, conhecido apenas como alBiruni, nasceu no ano de 973 em Kath, atual Kara-Kalpakskaya, no Uzbequistão, e faleceu no ano de 1048 em Ghazna, atual Ghazni, no Afeganistão.

Ainda muito jovem, começou a estudar a Geometria de Euclides e a Astronomia de Ptolomeu, orientado pelo famoso astrônomo e matemático Abu Nasr Mansur. Estudou também obras de Theon, Homero, Platão, Aristóteles, Arquimedes, Demócrito, Brahmagupta, Tabahajara, entre outros.

No ano de 990 calculou a latitude de Kath, observando a altitude máxima do sol. Quando tinha aproximadamente 22 anos, escreveu uma série de obras curtas, das quais chegou até nós Cartography (c. 995), sobre projeções de mapas. Calculou a diferença de longitude entre as cidades de Kath e Bagdá.

Sabe-se com certeza determinadas datas da vida de alBiruni, porque ele descreve eventos astronômicos em seus trabalhos.

Em 995 iniciou-se uma guerra civil na região em que al-Biruni morava. Ele fugiu, não se sabe ao certo para qual cidade, e nem se conhece o destino de Abu Nasr Mansur, seu professor. Sabe-se apenas que al-Biruni mudou-se diversas vezes, e que por volta de 1000 estava em Gurban, onde era ajudado por Qabus, governante do estado de Ziyarid, a quem dedica sua obra Chronology (c. 1000), que se refere a trabalhos anteriores de sua autoria, sobre os seguintes temas: sistema decimal (1), astrolábio (1), observações astronômicas (1), astrologia (3) e história (2).

Em 1004 voltou à sua terra natal. Entre 1018 e 1020, com o apoio do governante Mahmud (998-1030), de quem há indícios de que foi prisioneiro, al-Biruni conseguiu determinar a latitude de Ghazna de forma precisa. Ele aproveitou estes anos de “cativeiro” para observar os astros, reunir materiais para escrever tratados matemáticos e para tentar compreender a influência da lua nas marés.

As viagens militares de Mahmud fizeram com que al-Biruni conhecesse a Índia, o que lhe permitiu determinar a latitude de 11 cidades do país, além de escrever sua famosa obra Índia, na qual ele descreve a religião e filosofia do país, seu sistema de castas e costumes de casamento, sistemas de numeração, pesos e medidas, bem como a Geografia local. O livro também examina a astronomia indiana, a astrologia e o calendário. Esta obra passou a ser a principal fonte de informação sobre a situação do país no século XI. Para compô-la, ele utilizou vinte e quatro obras de catorze autores gregos e quarenta fontes em sânscrito (língua indiana), que começara a aprender aos 45 anos, o que lhe permitiu, posteriormente, traduzir Os Elementos de Euclides para o sânscrito.

Graças aos textos indianos, al-Biruni conheceu a Trigonometria e foi o primeiro a fazer dela uma ciência distinta da Astronomia. Também foi pioneiro na utilização do círculo de raio 1 para fazer cálculos.

Além disso, desenvolveu métodos para extração de raízes cúbicas e destacou-se pelo cálculo da qibla, determinando cientificamente a maneira de uma pessoa se orientar para Meca, para onde devem voltar-se os muçulmanos a fim de fazer suas orações.

Uma outra produção importante de al-Biruni é Shadows (c. 1021), relevante para a História da Matemática, Astronomia e Física. Nela são descritos fenômenos envolvendo sombras, bem como a história das funções secante e tangente. Além disso, algumas ideias do livro podem ser encaradas como uma antecipação do conceito de coordenadas polares.

Durante o reinado de Mas’ud, filho de Mahmud, al-Biruni foi mais bem tratado, pois o novo governante era um homem culto, que valorizava a pesquisa. A ele al-Biruni dedicou sua grande obra de Astronomia, Al-Qanun al-Mas’udi, que sobrepuja a obra de Ptolomeu e é composta de onze volumes, que tratam de Cosmologia, Cronologia, Geografia, Matemática e claro, Astronomia.

Com o assassinato de Mas’ud, seu filho Maudud assumiu o governo por oito anos (1040-1048). Durante este tempo, al-Biruni escreveu uma obra de Mineralogia, Pedras preciosas.

Em um outro trabalho, do qual não foi possível determinar o título e a data, al-Biruni afirma que o descobridor da chamada fórmula de Herão fora, na verdade, Arquimedes de Siracusa.

Al-Biruni deixou importantes contribuições também em Geodésia e Geografia, introduzindo técnicas para medição de distâncias usando triangulação. Ele determinou o raio da Terra como sendo igual a 6339,6 km, antecipando em séculos os ocidentais.

No que diz respeito à Física, realizou estudos sobre a gravidade específica e as causas dos poços artesianos.

Correspondeu-se por muitos anos com o mais importante sábio e cientista do Islã, Abu Ali al-Husain ibn Abdallah ibn Sina (conhecido no Ocidente como Avicena), sobre Filosofia, Astronomia e Física.

Sua última obra foi al-Saydala ii l-tibb (Farmacopea), na qual estudou o uso medicinal das plantas.

A variedade de seus estudos cobria boa parte da ciência de sua época, tendo produzido mais de 150 livros, entre eles 70 tratados de Astronomia, 20 de Matemática e 18 obras de Literatura, incluindo suas traduções. Destas obras, apenas 27 sobreviveram ao tempo.

O reconhecimento de sua importância pode ser medido, em partes, pela informação dada por Gafurov, de que em comemoração ao milésimo aniversário (1973) de al-Biruni, foram feitos selos especiais em países como Afeganistão, Irã, Paquistão, Líbia, Síria, e organizados colóquios sobre ele nos três primeiros países citados e na antiga União Soviética.

4. Considerações Finais

Ainda que tenha vivido em um período politicamente conturbado, tendo que fugir e talvez até submeter-se a aprisionamento, muitas foram as contribuições de al-Biruni, especialmente em Matemática, Geografia e Astronomia. Seus estudos, por vezes, destacaram-se também quando comparados aos de matemáticos ocidentais. Espera-se que este trabalho faça com que seu nome, feitos e obras passem a ser mais conhecidos no meio acadêmico.

5. Agradecimentos
À professora Karolina Barone Ribeiro da Silva, pela orientação e sugestão do tema do projeto.
6. Referências
ANTAR NETO, A,; LAPA, N.; SAMPAIO, J. L. P.; CAVALLANTE, S. L. Geometria: 2º grau. Coleção Noções de Matemática. v. 5. São Paulo: Moderna, 1982.
BALL, W. W. R. A short account of the history of mathematics. USA: Dover Publications, 1960.
BERLINGOFF, W. P.; GOUVÊA, F. Q. A matemática através dos tempos: um guia fácil e prático para professores e entusiastas. São Paulo: Edgard Blücher, 2008.
BOILOT, J. La larga odisea: tras las huellas de un sabio a través de un mundo en fermentación. El Correo, UNESCO, ano 27, p. 10-13, jun. 1974.
BOYER, C.B. História da matemática. 2. ed. São Paulo: Edgard Blücher, 1996.
CAJORI, F. Uma história da matemática. Rio de Janeiro: Ciência Moderna Ltda., 2007.
CONTADOR, P. R. M. Matemática, uma breve história. Vol. 1. 2. ed. São Paulo: Livraria da Física, 2006.
DOLCE, O.; POMPEO, J. N. Fundamentos de Matemática Elementar 9: geometria plana. 8. Ed. São Paulo: Atual, 2005.
EVES, H. Introdução à história da matemática. Campinas: Unicamp, 2004.
GAFUROV, B. El-Biruni: hace mil años vivia em Asia central um genio polifacético. El Correo, UNESCO, ano 27, p. 4-9, jun. 1974.
GARBI, G. G. A rainha das ciências: um passeio histórico pelo maravilhoso mundo da matemática. São Paulo: Livraria da Física, 2006.
GOLÇALVES JÚNIOR, O. Matemática por assunto: geometria plana e espacial. v. 6. Scipione, 1998.
IEZZI, G. Fundamentos de Matemática Elementar 3: trigonometria. 2. ed. São Paulo: Atual, 1977.
KATZ, V. J. A history of mathematics: an introduction. – Addison Weslev, 1998.
MOYER, R. E.; AYRES JÚNIOR, F. Trigonometria. 3. ed. São Paulo: Artmed, 1999.
LIMA E. L. Medida e forma em geometria. – Rio de Janeiro: SBM, 1991.
LINTZ, R. G. História da matemática. 2. ed. rev. – Campinas: UNICAMP, Centro de Lógica, Epistemologia e História da Ciência, 2007.
LYONS, J. A casa da Sabedoria: como a valorização do conhecimento pelos árabes transformou a civilização ocidental. – Rio de Janeiro: Jorge Zahar Ed., 2011.
O’CONNOR, J. J.; ROBERTSON, E.F. Abu Arrayhan Muhammad ibn Ahmad al-Biruni. Artigo. 1999. University of St Andrews.
PADUA, E. M. M. Metodologia da pesquisa: abordagem téorico-prática. – 10. ed. rev. e atual. – Campinas, SP: Papirus, 2004.
REIS, L. G. Produção de monografias: da teoria à prática. – 2. ed. – Brasília: SENAC, 2008.
ROQUE, T. História da matemática: uma visão crítica, desfazendo mitos e lendas. Rio de Janeiro: Zahar, 2012.
SALIM-ATCHEKZAI, M. Un pionero de la observación científica. El Correo, UNESCO, ano 27, p. 16-18, jun. 1974.
STRUIK, D. J. História concisa das matemáticas. Lisboa: Gradiva, 1997 (Ciência Aberta).

Ω