Traduções

As Origens Egípcias da Hypsomata Planetária

O papiro de Carlsberg I constitui a cópia do livro de Nut.

Joanne Conman

Este artigo é dedicado com muita gratidão a memória do Dr. Jorge Roberto Ogden Aquino.
Discussions in Egyptology 64 (2006-2009) – ISSN 0268-3083

Tradução:
César Augusto – Astrólogo

§

Resumo

Estrelas específicas do decanato egípcio que foram veneradas nos Textos de Caixões durante o Médio Império* parecem ter sobrevivido como “lugares secretos” em textos astrológicos babilônicos posteriores e, como as exaltações planetárias correspondentes ou hypsomata* da astrologia helenística. Este artigo explora a história desses honrados decanatos e examina suas relações com outros sistemas de decanatos. As relações decanais parecem levar em conta o padrão das exaltações para quatro dos planetas.

*O Médio Império do Egito (também conhecido como O Período de Reunificação) é o período na história do antigo Egito entre cerca de 2050 aC e 1710 aC, que se estende desde a reunificação do Egito sob o impulso de Mentuhotep II da Décima Primeira Dinastia até o fim da Décima Segunda Dinastia. Alguns estudiosos também incluem a Décima Terceira Dinastia do Egito neste período também, em cujo caso o Médio Império terminaria c. 1650, enquanto outros apenas incluem até Merneferre Ay c. 1700 aC, último rei desta dinastia a ser atestado tanto no Alto como no Baixo Egito. Durante o período do Império Médio, Osíris tornou-se a divindade mais importante na religião popular.
*Hypsoma (nisirti babilônico ašar ou bit nisirti; “lugar oculto”; pl. Hypsomata) é uma palavra grega que indica o ponto mais alto da Eclíptica de um corpo celeste, visto da Terra (na clarificação necessária). Na astronomia babilônica (em que temos a primeira menção do fenômeno) os hypsomas de estrelas e planetas são descritos no Astrolábio B (juntamente com o trabalho astrológico, o Astrolábio B, é o trabalho mais claramente menologista da literatura mesopotâmica) e no mul.Apin: cada estrela do caminho de Ea tem seu hypsoma especial. Astrolábio B babilônico (astronomia e astrologia). Mul.Apin ou é um catálogo antigo de estrelas, uma continuação do anterior sistema de três estrelas, mas muito mais preciso.  O texto resume o nome de 6 estrelas e constelações que determinam sua aparência, desaparecimento e datas de ponto alto, o que nos ajuda a construir o mapa das estrelas da Babilônia.

O zodíaco babilônico era sideral, ou seja, as longitudes não eram medidas a partir do equinócio vernal (a interseção com o equador celeste), mas de um pequeno número de estrelas fixas brilhantes perto da eclíptica. As estrelas de referência mais importantes parecem ter sido Aldebaran (Touro), Pollux (Câncer), Regulus (Leão), Spica (Libra), Antares (Escorpião) e Deneb Algedi (Aquário).

Sarcophagus of Harkhebit

Introdução

O padrão no espaço de sete e vinte decanatos entre a hypsomata planetária e o modelo de decanatos egípcios confere como descrito pelo autor do Papiro Carlsberg. Enquanto não há conexão atestada entre os decanatos que são honrados nas orações dos caixões de Asyut e mais tarde nos lugares secretos da Babilônia, seria uma coincidência extraordinária ter os babilônios apenas escolherem um padrão de lugares afortunados no céu que combina com o padrão egípcio especialmente reverenciado nos decanatos. Sua cosmologia era bem diferente da dos egípcios. Isto parece ainda mais implausível para os Gregos para terem mais tarde modificado a noção babilônica de um planeta atingindo seu lugar propício no céu para a ideia de que aquele lugar deu poder a um planeta com sua potência máxima em produzir efeitos na terra, correspondendo exatamente ao conceito egípcio do poder impressionante de um deus ou ɜt.

Mais provavelmente, alguns dos muitos comerciantes que viajaram entre o Egito e a Mesopotâmia levou ensinamentos sagrados sobre determinadas estrelas fora do Egito e, posteriormente, o conhecimento foi incorporado ao pensamento babilônico. A ideia de que estrelas especiais eram associado com o momento da manifestação do poder por deuses egípcios específicos poderia certamente ser adaptada aos deuses babilônios, que mais tarde seriam oráculos planetários. Os planetas mais frequentemente associados a deuses babilônicos particulares poderiam ter sido combinados com os seus lugares, porque as estrelas que os marcavam estavam associadas ao folclore decorrente de sua associação anterior com certos deuses egípcios. Os “locais de segredo” dos planetas babilônios e a hypsomata grega parecem ter suas origens na religião egípcia do Médio Império.

Neugebauer e Parker consideram os textos da estátua de Harkhebi para revelar um transmissão da doutrina babilônica para o Egito no início do terceiro século a.C. Na verdade, o astrólogo e o encantador de serpentes eram mais propensos a serem tradicionalmente egípcios quando ele “se purificou nos dias em que Akh (decanato) subiu heliacalmente ao lado de Benu sobre a terra”, isto é, quando Vênus subiu em seu hypsomata. Pelo tempo de Harkhebi, ɜḫwy tinha sido um adorado decanato por quase dois milênios no Egito.

As Origens Egípcias da Hypsomata Planetária

Os antigos egípcios observavam as estrelas se erguendo em uma área que chamavam de região mskt, que, conforme definido pelo autor do papiro Carlsberg da era romana, só pode ter sido uma área geral da eclíptica no horizonte oriental.1 Aproximadamente a cada 10 dias, a ascensão de uma determinada estrela ou estrelas antes do sol na região mskt marca o início de uma nova semana de 10 dias para os egípcios. Estas estrelas são chamadas “decanos” da palavra grega para “dez”. O autor de Carlsberg nos diz que Sirius define o padrão de comportamento para todas as estrelas decanas fazendo quatro aparições ao longo de um ano. Isto é, a “primeira”, então 90 dias depois, é “šn dwɜt”. 70 dias depois disso, ela é “nascida”. 80 dias depois disso, “trabalha” ou “serve”. Então, 120 dias depois, está de volta a “primeira”. É necessário entender este sistema corretamente para entender a tese deste trabalho.

1 Neugebauer, Otto and Parker, Richard A., Egyptian Astronomical Texts Volume I (Brown University Press, Providence, RI, 1960), 50, n 4-6. Also see the discussion on msqt in Willems, Harco, The Coffin of Heqata (Cairo JdE 36418): A Case Study of Egyptian Funerary Culture of the Early Middle Kingdom (Orientalia Lovaniensia Analecta 70, Peeters Publishing, Leuven, 1996), 263-7.

Sirius desaparece do céu por aproximadamente 70 dias seguindo seu curso heliacal. Por este fato, Otto Neugebauer assevera que o período de 70 dias em que as estrelas seriam šn dwɜtrefere-se ao período de invisibilidade seguindo o curso heliacal. Com base nisso, Neugebauer conjecturou ainda um modelo dos decanos que soa plausível, mas que, de fato falha porque postula um padrão em que nenhuma estrela se encaixa.2 Neugebauer, com Richard A. Parker, encontrou concordância entre os textos funerários do Médio Império conhecidos como o Livro de Nut e o papiro Carlsberg. A planilha de cálculo que faz parte do Livro de Nut, encontrada no Cenotáfio de Seti I e no túmulo de Ramsés IV indica que a cada 10 dias uma diferente estrela se move em cada um desses quatro sítios. Se a concordância é válida, então, usando o modelo descrito nos textos de Carlsberg, deve-se encontrar estrelas que foram observáveis em algum momento e lugar no Egito e colocá-las na planilha do Livro de Nut. Isso é impossível usando o modelo de Neugebauer. Estrelas que estão longe o bastante da eclíptica de modo que elas desaparecem por cerca de 70 dias e não sobem definindo a mesma ordem sequencial. O modelo dele não combina com o padrão exigido pela planilha em nos textos de Nut.

2 Conman, Joanne, “It’s About Time: Ancient Egyptian Cosmology”, Studien zur Altägyptischen Kultur, Volume 31, 2003: 42-57.

O padrão exigido pelos textos de Carlsberg e Nut é resolvido por um modelo que eu propus. Descartei completamente a hipótese de Neugebauer e reexaminei o material egípcio, enfocando a informação inequívoca dos textos de Carlsberg. Porque a ascensão heliacal de Sirius foi usada pelos egípcios para marcar seu Ano Novo, e eu observei que era uma das quatro aparições que a estrela fez durante o curso de um ano que no conjunto do padrão das estrelas do decanato. Eu investiguei o que Sirius fez nos 70 dias, 80 dias, 90 dias, etc. depois de sua ascensão heliacal e descobri que cerca de 160 dias após sua ascensão heliacal, Sirius sobe de modo acrônico. Aproximadamente 200 dias depois de sua ascensão, ela se eleva novamente de modo helíaco. Obviamente, 160 dias é a soma de 90 e 70 dias (primeiro šn dwɜt) e 200 dias é a soma de 80 e 120 dias (nascida e trabalho). Portanto, com base no comportamento de Sirius, a “primeira” significa ascensão heliacal e “nascida” significa ascensão acrônica. É possível encontrar a brilhante estrela subindo na região mskt (ou muito perto dela) a cada dez dias e essas estrelas todas seguem o mesmo padrão geral. Este modelo funciona em vários momentos da história do Egito, como bem como em diferentes locais em todo o Egito. Embora existam algumas diferenças nas estrelas reais que se elevam em diferentes locais e/ou em diferentes momentos da história, o padrão em si permanece consistente.

Constellations on the astronomical ceiling of Senemut Tomb

Por causa da teoria errônea de Neugebauer, Neugebauer e Parker não conseguiram reconhecer a assimilação do sistema de decanos diretamente na astrologia helenística.6 Tradicionalmente, os decanatos tinham sido usados ​​exatamente como os signos astrológicos gregos foram usados: marcar e medir períodos de tempo. Os signos astrológicos tomaram seus nomes de doze constelações astronômicas que jazem ao longo da eclíptica de 2000 anos atrás. Constelações astronômicas diferem dos signos astrológicos. Constelações são usadas para delinear regiões do céu para mapeamento, enquanto os signos astrológicos, divisões artificiais da eclíptica (caminho aparente do sol), são usados ​​para medir o tempo. Os signos astrológicos gregos, primeiramente atestados no quinto século AC,7 são doze divisões de 30 ° do círculo de 360 ​​° da eclíptica espaçada ao longo de um ano 365,25 dias. As trinta e seis divisões de 10° do antigo zodíaco de decanato egípcio foi facilmente incorporado ao zodíaco grego pela alocação de três decanatos para cada signo.

6 Neugebauer, Otto and Richard A. Parker, Egyptian Astronomical Texts Volume III (Brown University Press, Providence, RI, 1969), 168-174. They also failed to recognize the decans of Asyut coffins as part of the decanal system explained in the Carlsberg Papyri. (See: Conman, SAK: 64-8).
7 Van der Waerden, B. L. “History of the Zodiac”, Archiv für Orientforschung, Volume 16 (1953): 217; also, Rochberg-Halton, Francesca, “New Evidence for the History of Astrology,” JNES 43 (1984): 118.

Várias ideias que são integrantes da astrologia parecem aparecer primeiro na astrologia helenística. Embora algumas possam ser criações gregas, outras têm uma notável semelhança com as antigas crenças egípcias que é difícil não concluir que elas são o resultado de influência egípcia. Observadores do céu da Babilônia rastrearam o movimento dos planetas como se fossem criaturas vivas viajando pelo céu noturno. As constelações babilônicas não parecem ter tido características intrínsecas que eram transmissíveis aos planetas; em vez, elas funcionavam como a paisagem, o cenário contra o qual os planetas e a lua se moviam. Isso não deve surpreender, já que as pessoas que usam as estrelas para navegação, como comerciantes de caravana ou marítimos, naturalmente tendem a ver e pensar no céu como mapa. Mas pessoas sedentárias que usam as estrelas principalmente para cronometrar, naturalmente tendem a associar certos eventos cíclicos na terra com o aparecimento coincidente de fenômenos celestiais. A correlação sugere causa e efeito. Esta última é, naturalmente, exatamente o que os antigos egípcios fizeram com a ascensão heliacal de Sirius e a Inundação. Os gregos acreditavam que os planetas causavam efeitos na terra. Ideias egípcias sobre as estrelas sugerem fortemente que eles são a fonte para essa convicção.

A crença astrológica de que uma estrela (ou seção do céu) tem seu próprio espírito ou divindade e que esse espírito ou divindade, ligado ao tempo marcado pela ascensão da sua estrela, pode influenciar ou transmitir traços se assemelha à crença egípcia de que as divindades se manifestam apenas em certos momentos ou em certas formas apenas em momentos específicos. Julius Firmicus Maternus (Livro IV, capítulo 22) corretamente atribui a ideia aos egípcios, embora seja provavelmente muito mais antiga do que ele diz.8 Na língua egípcia, a palavra “ɜt” significa um “momento / instante de força / potência”. A palavra refere-se a um ponto no tempo em que uma pessoa ou deidade atinge sua maior potência. Os egípcios entendiam que deuses (e às vezes pessoas) tinham um momento “quando eles apareceram ou se manifestaram em um estado ou condição de ser em que são capazes para produzir ou desenvolver uma atividade. “

8 Maternus, Julius Firmicus, Ancient Astrology Theory and Practice Matheseos Libri XVIII, translated by Jean Rhys Bram (Noyes Press, New Jersey, 1975), 147-50.

Decoration on the celling of the tomb of Ramsesses VI

Deuses egípcios manifestavam-se em diferentes formas, dependendo do tempo. O presságio CT 345 refere-se como aquele deus que aparece como bɜ de dia e como Toth à noite.11 O planeta Mercúrio é descrito nos textos do Novo Império como um deus pela manhã e Seth ao anoitecer. Sepdet, que tinha um lado feroz do sexo masculino, tornava-se uma bela jovem que trazia a inundação anual no Ano Novo.13 O presságio CT 467 fala de Sepdet causando inundações, criando comida, e falando sobre seu “bom tempo”.14 Ela é creditada com o fornecimento de comida, mas a habilidade parece estar limitada ao seu tempo no Ano Novo (por exemplo, PT § 965;15 presságio CT 83716). A ideia de que a existência das estrelas tinha uma qualidade temporal é primeiro atestada nos Textos da Pirâmide: “Que a tua carne nasça para a vida e que a tua vida seja mais do que a vida das estrelas quando elas vivem”. Essa ideia é reiterada nos Textos do Caixão: “Que sua vida seja [mais do que] a vida das estrelas em sua estação da vida.” Os Textos da Pirâmide se referem aos santuários dos deuses, que também pode significar o tempo em que certas estrelas se elevaram, por exemplo, PT § 300: “O Grande De fato vai subir em seu santuário e colocar sua insígnia no chão”.

11 Faulkner, Raymond O., The Ancient Egyptian Coffin Texts Volume I (Aris and Phillips, 1973), 281.
13 Kákosy, László, “Die Mannweibliche Natur Des Sirius In Ägypten”, Studia Aegyptica 2 (1976): 41.
14 Faulkner, Raymond O., The Ancient Egyptian Coffin Texts Volume II (Aris and
15 Faulkner, Raymond O., The Ancient Egyptian Pyramid Texts (Oxford University Press, NY, 1969), 165.
16 Faulkner, Raymond O., The Ancient Egyptian Coffin Texts Volume III (Aris and Phillips, 1978), 24.

O tardio Naos das Décadas de Nectanebo I é único em distinguir cinco formas para cada decanato, em vez dos quatro que são expostas na descrição dos textos do ciclo de vida de uma estrela de Carlsberg. As imagens de decanato neste monumento são também diferentes de qualquer outro conhecido, seja de épocas anteriores ou posteriores. De acordo com a inscrição no Naos, um decanato em uma fase de sua vida era responsável pelo clima e pela vegetação, ore dessa forma por “água, ar e campos”. Em outra forma, foi o “Senhor da Guerra”, enquanto em uma terceira forma, foi chamado de “Senhor da Vida”, um bɜ “vivendo na terra”. A quarta e a quinta forma era a “imagem divina do decanato que dá ofertas em todos os templos”, e do decanato bɜ, “vivendo eternamente”. O último é retratado como uma múmia e ora por um bom enterro.21 Para os babilônios, as estrelas não têm esse tipo de ciclo de vida, desempenhando papéis diferentes em diferentes épocas do ano. Esse tempo é a força reguladora que determina as várias formas das divindades decanais paralelas ao que é encontrado mais tarde astrologia; especificamente, mudanças nas qualidades que os planetas manifestam em diferentes signos e influências diferentes dos próprios signos quando ocupam diferentes locais ou casas.

21 Habachi L. and Habachi, B., “The Naos with the Decades (Louvre D 37) and the Discovery of Another Fragment,” JNES 11 (1952): 256-8.

Tanto na astrologia helenística como na astrologia posterior, a influência de um planeta é mais forte quando está exaltação, isto é, quando se encontra em certo grau de um signo em particular.22 A exaltação ou hypsomata de um planeta é o seu lugar de máxima potência, exatamente como no momento de seu expressivo poder, o ɜt dos deuses egípcios, o “bom tempo” de Sepdet. Júpiter é exaltado no 15º grau de câncer; Mercúrio, no 15º grau de Virgem; Saturno, no 21º grau de Libra; Marte, no 28º grau de Capricórnio; e Vênus, no dia 27º grau de Peixes.23 Esses graus de exaltação correspondem aos decanos médios de Câncer e Virgem e os últimos decanos de Libra, Capricórnio e Peixes.

22 Rochberg-Halton, Francesca, “Elements of the Babylonian Contribution to Hellenistic Astrology”, Journal of the American Oriental Society, JAOS 108 (1988): 56-57.
23 Dorotheus of Sidon, Carmen Astrologicum, translated by David Pingree (Ascella Publications, Mansfield, UK, 1993), 162.

Tomb of Ramses IX

Foi proposto que as exaltações ou hypsomata desenvolvem-se a partir dos textos astrológicos babilônicos que se referem a “lugares secretos” dos planetas.24 “O termo bīt ou ašar niṣirti também sugere que o “lugar do segredo” seja interpretado como uma posição no céu que um planeta pode alcançar (kašādu) ou não. A primeira menção do ašar niṣirti de Vênus (mas não dos outros planetas) ocorre nos presságios planetários de Enuma Anu Enlil.” Em textos astrológicos posteriores, os lugares secretos babilônicos de Mercúrio, Júpiter e Marte coincidiam exatamente com as exaltações helenísticas, exceto que a posição babilônica é dada na região das estrelas de uma constelação, e não como um signo astrológico. Existem diferenças significativas entre a compreensão babilônica desses lugares e o entendimento grego.

Ao contrário da ideia grega de que lugares particulares fortalecem o poder de influência de um planeta, a noção babilônica era que se um planeta atingisse seu lugar de honra, era um presságio auspicioso. Se um planeta se movesse em direção ao seu lugar, mas desaparecesse antes de alcançá-lo, preveria má sorte para o rei ou a terra.

24 Hunger, Hermann and David Pingree, Astral Sciences in Mesopotamia (Brill, Leiden, 1999), 28.

Rochberg-Halton escreve que “as razões originais para escolher as posições específicas de os bīt niṣirti ou hypsomata do planeta permanecem obscuros”. Ela sugere que os lugares secretos do sol e da lua podem estão ligados ao calendário babilônico, já que o sol ocupou seu lugar secreto no Ano Novo Babilônico. Isso seria consistente com a ideia de que certos momentos poderiam ter sido associados a um “lugar secreto” para cada planeta. Mas a ideia desses lugares era originalmente babilônica? Assim como as razões para escolher uma posição particular como um “lugar secreto” são desconhecidas, a origem da ideia de como algum lugar no céu poderia ser honrado ou mais fortalecido para um determinado planeta é também desconhecida. Ulla Koch-Westenholz escreve que esses lugares eram “importantes o suficiente para serem incluídos nas inscrições reais, e para sobreviver na astrologia helenística, por isso fizeram parte na tradição oral tão elusiva”.30

30 Koch-Westenholz, Ulla, Mesopotamian Astrology: An Introduction to Babylonian and Assyrian Celestial Divination (CNI Publications, Copenhagen, 1995), 136.

Eu sugiro que essa “tradição oral elusiva” era muito provavelmente o resultado de ideias adotadas dos egípcios, ideias que são atestadas em textos egípcios mais de 1000 anos antes da primeira menção de qualquer lugar secreto nos textos dos presságios babilônicos. O posicionamento dos decanatos das exaltações dos planetas concorda bem com o posicionamento dos decanatos que são honrados nas oferendas e orações em um grupo de caixões que foram encontrados em Asyut. Os caixões datam de cerca de 2000 a.C. e fornecem as mais antigas listas conhecidas de decanatos. Essas listas consistem em doze linhas de trinta e seis colunas com quatro colunas extras. Uma linha indicando uma semana aparece sobre cada uma das trinta e seis primeiras colunas dos nove caixões mais antigos. Abaixo dessas datas, os decanatos são listados, para serem lidos de cima para baixo e da direita para a esquerda, começando com o decano ṯmɜt rt. A oferta de oração para um especial decanato e outras divindades aparecem entre as linhas seis e sete. (Figura 1). O os decanatos especialmente honrados são: Sul smd e Norte smd; o Deus que atravessa o céu com seu antebraço; Sothis e seguidor de Sothis; os Dois Espíritos e o seguidor dos Dois Espíritos; Início do ɜw e Fim do ɜw; o Superior ḫntt e Inferior ḫntt.

(Veja a Figura 1)

Figura 1

Entre os caixões, os nomes dos decanatos podem variar; no entanto, por duas exceções, os nomes dos decanatos honrados são consistentes. Embora não seja oferecido um benefício, o primeiro decanato listado na linha superior da coluna 1 é sempre ṯmɜt ḥrt. Os decanatos Superiores ḫntt (ḫntt ḥrt) e Inferiores ḫntt (ḫntt ḫrt) são números 6 e 7 em todos os caixões. O número 14 é smd srt ou smd em todas as listas. Os números 19 e 20 são os Dois Espíritos (ɜḫwy) e o seguidor dos Dois Espíritos (imy-ḫt ɜḫwy). O antebraço (rmn ḥry ou rmn ḥry sɜ) é o número 26, embora dois caixões omitam este decanato e o número 26 ṯs rk. Os números 31 e 32 são sempre spd e knmt. Os números 35 e 36 são o Início de ɜw (ɜw ɜw) e o Fim de ɜw (pwy ɜw). Em quatro dos caixões, incluindo os três mais novos, estes dois decanatos são chamados ɜt ɜt e pwy ɜt.

Akhet – The Horizon and the Rising Sun

Usando o software SkyMap Pro 9, procurei estrelas brilhantes que se elevavam dentro do alcance do eclíptica no horizonte oriental (a região mskt). O alcance do movimento do sol é aproximadamente 60° – 120° em Asyut, em 2000 a.C. No entanto, com base no glifo para ɜḫt, é provável que a região mskt possa ser estendida além do alcance exato do sol, talvez pelo menos 15° em qualquer direção para incluir estrelas muito brilhantes que teriam feito bons marcadores próprios ou poderiam ter sido usados para indicar que determinadas estrelas mais perto da eclíptica que estavam subindo quando era cedo demais para vê-las. Se o glifo representa o alcance do movimento do sol durante o curso de um ano, as montanhas que emolduram o sol podem indicar os limites reais da região mskt, estendido para incluir tais estrelas brilhantes e, possivelmente, também o alcance da lua e planetas. A beleza do sistema Carlsberg é o que permitia que, quem tinha a capacidade de saber o que estava subindo heliacalmente – às vezes não era realmente visível – conhecia a estrela anacrônica concorrente em ascensão. Este é essencialmente o mesmo princípio que os astrólogos posteriores usaram para determinar o lugar do sol no zodíaco.

Começando com Sirius, desde que sua identificação é certa, eu procurei estrelas subindo heliacalmente em intervalos de aproximadamente 10 dias e usei as melhores candidatas para criar a Tabela I. A tabela ilustra boa concordância entre o padrão da última hypsomata planetária com os decanatos astrológicos e o padrão dos venerados decanatos dos caixões. Desde que não podemos confirmar quando ou onde as observações para estes caixões foram feitas, tentativas de precisão absoluta são inúteis. No entanto, a tabela sugere estrelas específicas que podem ter sido associadas com os decanatos venerados. Por essa razão, eu também indiquei as quatro “Estrelas Reais da Pérsia”.

Em qualquer dada década de dias, a estrela que “nasceu” é a estrela que se ergue retrógrada, a estrela šn dwɜt é aquela que se levanta tarde da noite marcando a hora wšɜw, e a “primeira” estrela é aquela que se eleva heliacalmente.34 A estrela que é “nascida” é separada da estrela šn dwɜt por sete estrelas e da “primeira” estrela por vinte estrelas.35 Como dito acima, a lista de decanatos dos caixões começa com ṯmɜt ḥrt, que é o sétimo decanato após spd. O decano smd srt é o vigésimo após spd. O decano imy-ḫt ɜḫwy é o sétimo decano depois de smd srt e o vigésimo após ṯmɜt ḥrt. Este padrão corresponde exatamente ao padrão dos quatro planetas exaltados mais tarde na astrologia helenística e inclui três dos mesmos planetas encontrados por Rochberg-Halton nos textos babilônicos. O hypsoma de Mercúrio é o sétimo decanato depois de Júpiter. O hypsoma de Marte é o vigésimo depois de Júpiter. O hypsoma de Vênus é o sétimo decanato depois de Marte e o vigésimo depois de Mercúrio. Assim, as exaltações astrológicas dois mil anos depois para os quatro planetas correspondem aos quatro respeitados decanos de Asyut como se segue: Mercúrio para ṯmɜt ḥrt, Júpiter para spd, Marte para smd srt e Vênus para imy-ḫt ɜḫwy.

34 Conman, SAK: 60 ff.; also see: Conman, Joanne, “Speculation on Special Sunlight and the Origin of the wšɜw Hour”, Apuntes de Egiptologia 3,
35 EAT I: 58-59; also see: Quack, “Kollation und Korrekturvorschläge zum Papyrus Carlsberg 1,” The Carlsberg Papyri 3: A Miscellany of Demotic Texts and Studies, edited by P. J Frandsen and K. Ryholt (CNI Publications, Copenhagen, 2000), 167.

(Veja a Tabela I)

Tabela 1

§

Chave da Interpretação

Luc Gabolde mostrou que a procissão de Thutmoses III em Karnak foi dirigida em direção ao ponto de ascensão de Canopus na época de Sesostris I.37 Gabolde supõe que a orientação mais antiga foi usada porque uma visão clara do ponto exato no horizonte estava bloqueada quando Thutmoses III reconstruiu a procissão. Ele também considera que o próprio Sesostris I pode ter usado um alinhamento mais antigo, talvez o do Inyotef II. No entanto, existe uma ligação entre o deus Amon e Canopus não conhecida por Gabolde ou qualquer outra pessoa até agora.

37 Gabolde, Luc, “Canope et les orientations nord-sud de Karnak établies par Thoutmosis III”, RdE 50, (1999): 280-281.

Em 26 de fevereiro de 1953 a.C., durante o reinado de Sesostris I, os cinco planetas visíveis a olho nu formaram uma conjunção no céu oriental antes do amanhecer. É pensado que esta deve ser a mais próxima conjunção dos planetas nos últimos 5.000 anos.38 Essa dramática conjunção está ligada à origem do calendário chinês.39 Parece ter considerável implicações para o antigo Egito também. Tal conjunção principal não é um evento de um dia; teria sido visto se juntando e depois se separando por mais de um mês. No tempo em que os planetas começaram a formar a conjunção inconfundivelmente, Canopus estava subindo retrogradamente. Evidentemente, ela se eleva bem fora da região mskt, mas teria subido juntamente com a estrela decana que nasceu e teria sido notada. Canopus permaneceu proeminente no céu do sudeste, logo após o pôr do sol para o próximo mês, a conjunção atingiu o pico e depois começou a se separar.

38 Weitzel, R. B., “Clusters of Five Planets”, Popular Astronomy 53 (1945): 160.
39 Pankenier, David, “Mozi and the Dates of Xia, Shang, and Zhou: A Research Note,” Early China 9-10 (1983-85): 175-183; Nivison, David S., and Kevin Pang, “Astronomical Evidence for the Bamboo Annals’ Chronicle of the Xia Dynasty,” Early China 15 (1990): 88-90.

É notável que a ordem dos planetas no momento da lua nova mais próxima da conjunção é idêntica à ordem que é encontrada em toda a arte do túmulo do Novo Império e que permaneceu na ordem egípcia dos planetas até a época greco-romana. É um arranjo que é desconhecido em outros lugares e que faz pouco sentido, exceto para a comemoração desta conjunção. Na hora antes do nascer do sol em 2 de março, a lua minguante em sua última visibilidade (marcando o início de um novo mês egípcio), também estava em conjunção cinco planetas visíveis. A ordem planetária de Júpiter, Saturno, Marte, Mercúrio e Vênus que é vista em toda a arte da tumba subsequente aparentemente foi como os planetas começaram a se separar de sua massa. A ordem foi mantida por mais de um decanato, mais do que primeira semana egípcia do novo mês.

Esta impressionante conjunção ocorreu perto do tempo em que se estima que as inundações do Nilo começaram a retornar a níveis benéficos não vistos em várias centenas de anos.41 É bem possível que a conjunção estivesse associada ao retorno das inundações. Para os egípcios, já havia uma tradição de séculos de associação de eventos celestes com o comportamento do Nilo. Se a conjunção estivesse relacionada com o retorno das inundações e foi entendida como uma manifestação do poder de Amon através da estrela Canopus, isso pode ajudar a explicar a rápida ascensão do deus à proeminência no Novo Império.

41 Butzer, Karl W., Early Hydraulic Civilization in Egypt (University of Chicago Press, 1976), 28-9, 31.

O calendário de três dos festivais de Amon durante o Novo Império concorda muito bem com fases do ciclo de vida de Canopus, conforme descrito no modelo Carlsberg. A festa do Opet foi a mais importante. Celebrava-se a renovação de Amon e o direito do rei de governar, como reconfirmado pelo deus. O Opet ocorreu no final de agosto. O festival não é atestado antes da 18º Dinastia. A mudança de nome dos dois decanatos ɜt ɜw e pḥwy ɜw para ɜt ḏɜt e pḥwy ḏɜt nos caixões mais novos de Asyut pode refletir a instituição do festival. A ascensão heliacal de Canopus teria coincidido com a ascensão heliacal destes decanos no Novo Império. O nome anterior pode indicar a primeira aparição de plantas (ɜw) como a inundação anual começou a diminuir. A palavra “ ḏɜt ” refere-se a cruzar o céu ou a transportar sobre a água, uma jornada migratória. Ela descreve o festival anual de Opet, em que a estátua do deus Amon foi transportada e/ou levada em uma procissão pela terra de Karnak a Luxor.

Nas falésias da margem ocidental do Nilo com vista para Tebas, registros escritos por sacerdotes de Amon indicam que eles vigiavam a noite toda para o aparecimento de seu deus. A vista panorâmica desses penhascos olha para o leste e para o templo de Karnak. H. E. Winlock propõe que os sacerdotes ficavam sentados a noite toda observando seus colegas sacerdotes aparecem perto do amanhecer, carregando a estátua de Amon.45 Não há absolutamente nenhuma razão pela qual o os sacerdotes deveriam ter feito algo tão totalmente sem sentido. É mais razoável supor que os sacerdotes vigiavam a noite toda a ascensão heliacal da estrela e sua aparência anunciaria que era hora de a estátua do deus começar sua sagrada procissão. A ascensão heliacal de uma estrela deu-lhe o poder de influenciar eventos na Terra, para criar o clima, trazendo vento ou água, finalmente efetuando colheitas, como Sepdet trazendo a Inundação. O momento notável, o ɜt, era o momento da ascensão helíaca da estrela de uma divindade. Portanto, Amun poder comprovado para fornecer inundações benéficas teria sido reconhecido quando sua estrela subiu heliacalmente. Durante o Opet, o próprio Amun se regenerou, assim como uma estrela em ascensão heliacal depois de um período de invisibilidade. O deus, através de sua estátua, fez uma aparição as pessoas em sua procissão no festival, assim como uma estrela faz em sua ascensão heliacal. O poder do deus foi transferido para o rei em uma cerimônia que é análogo ao poder da estrela para efetuar suas condições na terra.

45 Winlock, H. E., The Rise and Fall of the Middle Kingdom in Thebes (The MacMillan Company, New York, 1947), 83-85.

O festival Opet aumentou de tamanho em todo o Novo Império, ​​consistente com a visibilidade crescente de Canopus. Durante o primeiro milênio, a estrela, a segunda mais brilhante no céu, teria sido visto por períodos de tempo cada vez mais longos, subindo mais a elevação. A maior visibilidade da estrela mudou-se para o norte através do país sobre os séculos. Eventualmente, Canopus apareceu para subir juntamente com não uma, mas duas estrelas decanais. Nos últimos anos do Novo Império, o aumento do Opet aparentemente manteve o ritmo com a maior visibilidade da estrela.

Além do Opet, outros dois festivais de Amon parecem coincidir com o ciclo de vida de Canopus. O Livro de Nut diz que as estrelas “se retiram para o céu” após o seu nascimento, é corretamente o aumento retrógrado. No Novo Império, o tempo em que Canopus se levantou anacrônica, retirando-se para o céu, coincidiu com o festival perfeitamente intitulado de Entrada de Amun nos céus. Mais tarde no ano, a estátua do deus viajou para o oeste para a bela festa do vale ou Talfest, que ocorreu após a lua cheia do décimo mês, contados a partir do Ano Novo no solstício de verão. Isso ocorre no final de abril ou início de maio, na época em que Canopus teria iniciado seu período de 120 dias de trabalho, a fase da vida de uma estrela que é representada nas tabelas dos caixões de Asyut. Três novos festivais para Amun parecem assim corresponder às mudanças nas fases do ciclo de vida da estrela Canopus consistente com o modelo de decanatos de Carlsberg.

Canopus e Sirius podem ter sido reverenciadas porque indicavam o estado de suas deidades associadas que controlavam as condições na Terra. No entanto, outras estrelas do decanato podem ter sido honradas simplesmente porque mudaram as fases de seu ciclo de vida ao mesmo tempo com estas duas estrelas significativas no sistema de decanos. Eu usei os nomes dos decanatos que ocorrem mais frequentemente nas listas encontradas em placas 26-29 no EAT I para criar uma tabela com base no modelo do Papiro Carlsberg. É claro que o número de decanos venerados tem relações um com o outro.

(Veja a Tabela II)

Tabela 2

Sete dos dez decanos indiscutivelmente identificáveis ​​que aparecem nas orações de Asyut são aqueles que mudam de fase às vezes coincidindo com estrelas dos decanos associadas com os posteriores Festivais Amun. Na época do Opet e da ascensão heliacal das estrelas marcando ɜt ḏɜt e pḥwy ḏɜt, as estrelas dos decanos ɜḫwy e imy-ḫt ɜḫwy sobem de forma anacrônica, enquanto a estrela de rmn ḥry é a estrela šn dwɜt concorrente com ɜt ḏɜt. Na época da entrada de Amon nos céus, as estrelas marcando ɜt ḏɜt e pḥwy ḏɜt, erguem-se acronicamente e as estrelas de ḫntt ḥrt e ḫntt ẖrt são šn dwɜt. Alguns dos decanatos venerados podem ser associados aos festivais de Amun. O Ano Novo, no tempo em que Sirius (spd) sobe heliacalmente, ḫntt ẖrt começa seu tempo de trabalho. A ascensão heliacal de ḫntt ẖrt coincidiu com o festival principal para este deus Nḥb-kɜw, que talvez também tenha tido um festival menor coincidindo com o Ano Novo.

As estátuas com decanatos no tesouro do templo Hathor em Dendera da época ptolomaica “eram feitas de pedra ou madeira, metal ou faiança, mas no caso de Sothis, rtp-nfr, nt (w)ẖr(w), ɜḫwy e ṯmɜt apenas ouro foi usado.” Se Sothis na série de Dendera é o equivalente de spd nos caixões de Asyut, então quatro desses decanatos de ouro correspondem aos números do decanato de Asyut 1, 19, 22 e 31; isto é, a ṯmɜt de Dendera é o número 1 de Asyut, ṯmɜt ḥrt; a ɜḫwy de Dendera é o número 19 de Asyut, ɜḫwy; a de Dendera nt (w)ẖr(w) é o número 22 de Asyut, kd; é Sothis de Dendera, é o número 31 da Asyut, spd. Sothis e ɜḫwy, claro, são nomeadas nas listas de oferendas dos caixões. Enquanto ṯmɜt ḥrt não aparece na oração de oferenda, a esse decanato é sempre dado o proeminente primeiro lugar nas tabelas estelares dos caixões e este lugar corresponde ao spd como exaltação de Mercúrio corresponde ao de Júpiter. A estátua adicional de ouro de Dendera para nt (w)ẖr(w) parece corresponder à hypsomata do sol.

Chamado de “falso decanato” por Neugebauer e Parker, rtp-nfr é a única outra figura em ouro. A lista de decanatos que corresponde a estas estátuas contém doze destes chamados decanatos falsos que servem para separar os trinta e seis em grupos de três, funcionando assim como signos do zodíaco grego. Se os chamados decanatos falsos representarem a personificação egípcia dos signos do zodíaco, então rtp-nfr, que segue imediatamente nt (w)ẖr(w), poderia representar o signo do zodíaco da exaltação da lua, Touro. Os decanatos de ouro combinam com a hypsomata planetária de Mercúrio (ṯmɜt) e Júpiter (Sothis) exatamente. Vênus (ɜḫwy) e nt (w)ẖr(w) (o sol) estão a um decanato de distância de uma correspondência exata. (Veja Tabela I). Na astrologia helenística, os planetas Saturno e Marte são maléficos, por isso pode não ter sido desejável representar os decanos de seus hypsomas em ouro.

Rochberg-Halton discute algumas discrepâncias no lugar secreto de Júpiter no Enuma Anu Enlil. O lugar de Júpiter parece estar em Gêmeos ou entre Gêmeos e Câncer, enquanto seu posterior hypsoma grego está no meio do Câncer. Essa confusão pode ser o resultado do fato de que a estrela Sirius é a verdadeira origem do hypsoma de Júpiter. No teto do zodíaco redondo do templo de Hathor em Dendera, onde se colocam todos os planetas em suas exaltações, Júpiter é encontrado entre Gêmeos e Câncer, diretamente acima de Sirius. O hypsoma pode ter sido localizado no decantato astrológico no meio de Câncer, a fim de manter o padrão dos lugares de contados

Copyright © Joanne Conman

Ω

Agradecimentos

O autor gostaria de agradecer especialmente à Equipe do Burbank e ao Empréstimo entre Bibliotecas. Funcionários da Biblioteca Pública de Portland, Portland Maine, por seu serviço excepcional, e reconhece com agrado a gentil assistência de Ritva Kurittu, Marilynn Lawrence, Dr. Edmund S. Meltzer, Dr. Kevin D. Pang, Dr. David W. Pankenier, Dr. Bradley E. Schaefer e John J. Wall.

§